Áreas de baixo carbono estão produzindo de forma mais sustentável

Propriedades tiveram crescimento de quase 100% com o Programa ABC

Publicado em 30/10/2020 - 15:42 Por Maíra Heinen - Brasília

Com tecnologias que envolvem recuperação de pastagens degradadas, integração lavoura-pecuária-floresta e tratamento de dejetos animais, as áreas agropecuárias chamadas de baixo carbono no Brasil estão aumentando e conseguido produzir de forma mais sustentável.

Entre 2019 e 2020, propriedades que buscaram financiamento no Programa ABC, Agricultura de Baixa Emissão de Carbono, passaram de 245 mil hectares para mais de 485 mil hectares, um crescimento de quase 100%.

A região Centro-Oeste lidera a busca por financiamento dentro do programa e também no tamanho da área financiada, com mais de R$361 milhões, em uma área superior a 271 mil hectares.

Os agropecuaristas de Mato Grosso do Sul foram os que mais expandiram a área com a adoção de práticas de baixa emissão de carbono, totalizando 167 mil hectares de área financiada.

A proteção do solo e o aumento de produção são os resultados que a produtora Ana Nery, do município sul-matogrossense de Maracaju, percebeu ao adotar o plano ABC, em 2013.

Marize Porto tem uma propriedade em Ipameri, em Goiás, outro estado onde muitos produtores aderiram ao modelo de financiamento. Ela destaca os benefícios no campo social e ambiental, ao aderir ao programa.

A diretora de Produção Sustentável e Irrigação do Ministério da Agricultura, Mariane Crespolini, comenta que o Ministério já está em processo de revisão do plano, após 10 anos de funcionamento.

Além da produção, o programa também oferta a linha de financiamento para que o produtor rural possa se adequar ao Código Florestal, por meio da recuperação de reserva legal, áreas de preservação permanente, recuperação de áreas degradadas e implantação e melhoramento de planos de manejo florestal sustentável.

Edição: Joana Lima

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Economia

Inflação medida por IPC-S sobe 0,92% em julho, aponta FGV

Com o resultado, divulgado nesta segunda-feira (2), o Índice de Preços ao Consumidor Semanal, da Fundação Getulio Vargas, acumula alta de 8,76% nos últimos 12 meses.

Baixar arquivo
Esportes

Confira os resultados da Série A do Brasileirão do fim de semana

No sábado (31), pela 14ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro, São Paulo e Palmeiras empataram em 0 a 0. Internacional e Cuiabá também fizeram o mesmo placar. O Bragantino venceu o Grêmio por 1 a 0.

Baixar arquivo
Esportes

Com duas medalhas, Rebeca Andrade encerra participação na Olimpíada

Rebeca Andrade leva para o Brasil duas medalhas no peito, a de prata (individual geral) e a de ouro (salto). Ela encerrou nesta segunda-feira (2) sua participação na quinta colocação na final da prova de solo na ginástica artística na Olimpíada de Tóquio.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Imigrantes venezuelanos são absorvidos na rede de ensino de Pacaraima

Desde a flexibilização da entrada de imigrantes venezuelanos em situação de vulnerabilidade, ao Brasil, a cidade, em Roraima, mais que dobrou o número de estudantes matriculados na rede municipal de ensino.

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

Pesquisadores da UFPR transformam lixo em energia elétrica

Reduzir, reutilizar, reciclar.  Os três Rs da sustentabilidade. Resultados alcançados por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná mostraram que é possível transformar lixo em energia elétrica, e muito mais, usando microalgas no processo.

Baixar arquivo
Educação

23 estados já anunciaram retorno das aulas presenciais

Depois de 1 ano e 6 meses fechadas, a maioria das escolas públicas do país deve reabrir neste mês de agosto. Apenas Paraíba e Acre têm previsão de retorno em setembro, quando a vacinação dos professores deve incluir a segunda dose. Roraima é o único estado sem data prevista.

Baixar arquivo