STJ suspende processo que pedia intervenção da Fundação Renova

Em nota, a Fundação Renova disse que desembolsou mais de R$ 13 bi

Publicado em 27/05/2021 - 21:06 Por Gésio Passos, da Rádio Nacional - Brasília

O Superior Tribunal de Justiça, o STJ, suspendeu nessa quinta-feira a tramitação de uma ação do Ministério Público de Minas Gerais que pede a intervenção judicial na Fundação Renova, criada para administrar a reparação dos danos causados à população e ao meio ambiente com o rompimento da barragem do Fundão, em 2015, na cidade de Mariana, em Minas Gerais.

A decisão do ministro Og Fernandes suspendeu a ação até que primeira seção do Tribunal julgue se o processo de intervenção deve seguir na Justiça Estadual ou Federal.
                                                                                  
A Renova foi criada em 2018, resultado do acordo fechado pelos governoS federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo com as empresas Samarco, Vale e BHP. A negociação foi intermediada pela Justiça Federal. No acordo, a Fundação seria a responsável pela reparação socioambiental dos danos do rompimento da barragem.

Até a decisão sobre o conflito de competência da justiça as questões urgentes no processo de intervenção devem ser resolvidas na Justiça Federal.

Em fevereiro deste ano, o Ministério Público pediu na justiça mineira a extinção da Fundação Renova, alegando que a entidade vem atuando para limitar as responsabilidades das empresas Vale e BHP, controladoras da Samarco.

A Renova estaria em desvio de finalidade, e teve as contas rejeitada por quatro vezes. Além da extinção, o MP pede a condenação das empresas responsáveis e indenização por suas ações.
              
Luiz Paulo Siqueira, da coordenação do Movimento Pela Soberania Popular na Mineração, o MAM, que articula a comunidade atingida pela tragédia, afirma que a decisão do STJ reforça a impunidade das empresas.
                                                                              
Em 2015, o rompimento da barragem do Fundão despejou 44 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração na bacia do Rio Doce, percorreu 680 km e chegou ao litoral do Espírito Santo.  19 pessoas morreram, vilas foram destruídas pela lama, que poluiu nascentes e rios.

Em nota, a Fundação Renova disse que desembolsou mais de R$ 13 bilhões em ações de reparação, e que 4 bilhões foram gastos em indenizações e auxílios para 323 mil pessoas. A BHP disse que apoia a Fundação em sua missão. Procuradas pela reportagem, a Vale e a Samarco não quiseram se manifestar.
 

Edição: Roberto Piza e Luiz Claudio Ferreira

Últimas notícias
Meio Ambiente

Projeto troca pilhas e materiais eletrônicos por verduras e hortaliças

Moradores de Palmas, no Tocantins, que tiverem pilhas, baterias, computadores, celular e outros eletrônicos inutilizados podem trocá-los por verduras, hortaliças e mudas de árvores no Instituto Natura Vida.

Baixar arquivo
Saúde

Doação de leite humano só atende metade da demanda no Brasil

Dia Mundial de Doação de Leite Humano, celebrado nesta quinta-feira (19), é uma iniciativa para a proteção e promoção do aleitamento materno. 

Baixar arquivo
Política

Presidente da República almoça com embaixadores de 18 países no Rio

Como exemplo de situações de instabilidade mundial, que demonstram a segurança oferecida pelo Brasil, Jair Bolsonaro citou os riscos de desabastecimento que vários países vêm passando.

Baixar arquivo
Geral

Rio de Janeiro: crimes contra a vida têm queda de 17%

Os dados são relativos aos primeiros quatro meses de 2022 na comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 1.025 vítimas, o menor número desde 1991.

Baixar arquivo
Saúde

Covid-19: número de testes positivos em farmácias cresce 54% em maio

Dos 210 mil testes realizados na primeira quinzena do mês, quase 50 mil comprovaram a infecção pelo coronavírus. Já em abril, foram 262 mil no total e cerca de 32 mil confirmaram a presença do Sars-Cov-2.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

ONU diz que subiu 500% o total de pessoas com fome no mundo desde 2016

Os níveis de fome ao redor do mundo atingiram uma nova alta, segundo o secretário-geral das Nações Unidas. António Guterres fez declarações na quarta-feira, durante uma reunião ministerial sobre segurança alimentar, em Nova Iorque. 

Baixar arquivo