Um terço das áreas regeneradas de Mata Atlântica são desmatadas

Publicado em 15/04/2022 - 17:56 Por Daniella Longuinho* - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Um terço das áreas de regeneração da Mata Atlântica são desmatadas novamente em um período entre 4 e 8 anos após o crescimento da vegetação nativa do bioma.

A conclusão é de um estudo publicado em uma revista internacional de ciências ambientais realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal do ABC, em parceria com a Columbia University, dos Estados Unidos.  

O professor de ecologia da USP Jean Paul Metzger ressalta que a Mata Atlântica é o bioma ocupado há mais tempo pelo homem, o que levou a um desmatamento intenso e, consequentemente, à redução da cobertura de vegetação nativa, que, de modo geral, tem apenas 28% de áreas remanescentes. O especialista destaca o papel da regeneração natural nesse contexto.

A cobertura florestal, no entanto, tem sofrido com a perda principalmente de matas mais velhas. O estudo mostra que existe uma rotatividade muito grande na Mata Atlântica, com ciclos de regeneração seguidos de desmatamento, como exemplifica o professor Jean Paul Metzger.

De acordo com o Código Florestal e a Lei da Mata Atlântica, as duas principais normas que incidem sobre o bioma, o proprietário agrícola tem a possibilidade de cortar áreas de floresta, em estágios de 5 a 10 anos, para que a terra possa 'descansar', o chamado tempo de pousio. Jean Paul Metzger, da USP, avalia que essa prática deveria ser restrita a alguns tipos de cultivos agrícolas.

O estudo aponta ainda que a regeneração da Mata Atlântica, se mantida, pode ajudar o Brasil a promover a restauração dos 12 milhões de hectares de vegetação nativa como pactuado em tratados internacionais, cabendo ao país estimular a permanência ao longo do tempo das áreas recuperadas.

*Com produção de Renato Lima

Edição: Roberto Piza / GT Passos

Últimas notícias
Economia

Setor de serviços cresce 0,7% na passagem de maio para junho, diz IBGE

Com isso, se encontra 7,5% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020, mas ainda 3,2% abaixo do ponto mais alto, conquistado em novembro de 2014.

Baixar arquivo
Saúde

Ingerir álcool durante a gravidez pode causar síndrome alcoólica fetal

Mesmo que seja baixa a quantidade de álcool ingerida pela futura mãe, ainda existe o risco da doença,  que pode trazer consequências gravíssimas para o feto e recém-nascidos.

Baixar arquivo
Economia

Quase metade dos brasileiros fazem "bicos" para ampliar renda

Pesquisa aponta que quase q metade dos brasileiros com 16 anos de idade ou mais precisaram fazer atividades extras nos últimos 12 meses para complementar sua renda.

Baixar arquivo
Saúde

Maranhão registra primeiro caso de varíola dos macacos

O paciente, um homem de 42 anos, com comorbidades, está internado com quadro clínico estável.

Baixar arquivo
Economia

IBGE prevê safra recorde de 263,4 milhões de toneladas em 2022

O Brasil deve produzir, em julho, 263 milhões e 400 mil toneladas de cereais, leguminosas e oleaginosas. Um recorde! A estimativa está no Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, divulgado nesta quinta-feira pelo IBGE.

Baixar arquivo