Entenda os desafios para meninas e mulheres na ciência

ONU destaca neste dia a importância de igualdade de oportunidades

Publicado em 11/02/2021 - 15:05 Por Adrielen Alves - Brasília

Quando falamos em mulheres ligadas à ciência, lembramos de nomes como Marie Curie – Nobel nas áreas de química e física, ou das cientistas brasileiras Carolina Bori ou Berta Lutz. Apesar de nomes expressivos, a quantidade de mulheres na ciência ainda é considerada desigual.

Segundo o Escritório das Nações Unidas para o Espaço Exterior (Unoosa), em se tratando de pesquisas sobre ciência, tecnologia, engenharias e matemática, as mulheres representam 28,8% desta força de trabalho no mundo, enquanto os homens 72,2%.

A gerente de Programas da Organização das Nações Unidas (ONU) Mulheres, Ana Carolina Querino, atribui esta disparidade a um fenômeno mundial. Segundo ela, as desigualdades começam na primeira infância, mas continuam a ser desafio na vida adulta.

“A questão das mulheres serem as principais responsabilizadas pelas tarefas de cuidados vai promovendo interrupções e quebras na trajetória acadêmica das mulheres”, diz Ana Carolina Querino.

A dupla jornada de trabalho é apontada também em um estudo do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast) como uma das principais causas para o afastamento da mulher da carreira científica.

Para a professora do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Carolina Brito, a dupla jornada é apenas um dos pontos do chamado ''efeito tesoura''.

Além deste, ela aponta o preconceito em relação a atuação profissional das mulheres e ‘’entraves no meio acadêmico que fazem a mulher achar que a área científica não é para ela’’, diz.

‘’Quanto mais diversidade - mais qualidade e mais excelência na área’’, diz Carolina Brito, que é coordenadora do projeto Meninas na Ciência no campus gaúcho.

No Brasil, levantamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico (CNPQ) aponta diminuição da presença feminina à medida que os estudos avançam. Segundo o CNPQ, em 2020, as mulheres representam 58% do total de bolsas da iniciação científica (para graduação) e cai para 35% do total de bolsas de Produtividade em Pesquisa, considerada uma das categorias mais altas.

Quando o assunto é o espaço, a astronomia, a representatividade das mulheres é ainda menor, de acordo com a Unoosa. São 20% de mulheres e 80% de homens ligados a esta força de trabalho.

Para a astrônoma porto-riquenha, pesquisadora do Observatório do Valongo, no Rio de Janeiro, Kárin Menéndez-Delmestre, estes números podem ser mudados com atenção especial às crianças e adolescentes em formação escolar.

Segundo ela, está dentro da escola, no apoio e orientação dos professores uma das soluções para incentivar a participação das mulheres em áreas científicas.

A gerente da ONU Mulheres acredita que mudar este cenário depende de integração entre governo, iniciativa privada e escolas.

 

* Matéria veiculada anteriormente em 06/03/2020. 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Esportes

Tóquio: seleção de vôlei feminino vence Quênia e vai para as quartas

Invicta na Olimpíada de Tóquio, a seleção brasileira de vôlei feminino venceu nesta segunda-feira (2) o Quênia por 3 sets a 0, com parciais de 25/10, 25/16 e 25/8. A partida foi realizada na Arena de Ariake, na capital Tóquio.

Baixar arquivo
Justiça

Presídios federais podem retomar visitas presenciais

Com o avanço da vacinação, o Ministério da Justiça resolveu autorizar o retorno gradual de visitas aos presos em presídios federais.

Baixar arquivo
Saúde

90% dos brasileiros tomariam qualquer vacina contra a covid-19

O dado é da 4ª edição do estudo ‘Os brasileiros, a pandemia de Covid-19 e o consumo’ da CNI, Confederação Nacional da Indústria.

Baixar arquivo
Esportes

Vôlei de praia: Alison e Álvaro avançam para as quartas de final

A dupla Alison e Álvaro Filho venceu os mexicanos Josue Gaxiola e Jose Rubio por 2 sets a 0, com parciais de 21/14 e 21/13. A partida foi realizada no Parque Shiokaze, na capital Tóquio.

Baixar arquivo
Educação

São Paulo tem início da volta às aulas presenciais

As escolas de São Paulo receberam autorização do governo do estado de retorno de 100% das atividades presenciais, caso tenham como comportar capacidade total mantendo o protocolo de segurança.

Baixar arquivo
Educação

Ensino presencial está de volta em escolas no município do Rio

O ensino presencial está de volta em 1.542 unidades. Apenas uma escola na cidade do Rio de Janeiro continua oferecendo somente o ensino remoto porque o prédio está em obras.

Baixar arquivo