A partir do cajueiro, universidade no RN cria um purificador de água

Publicado em 23/05/2022 - 13:13 Por Beatriz Evaristo - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

O Rio Grande do Norte é conhecido como a Terra do Caju. E foi a partir da casca do cajueiro, uma planta nativa e abundante na região, que um grupo de pesquisa da Universidade Federal do Rio Grande do Norte desenvolveu um coagulante para resolver o problema de acesso à água potável.

De acordo com a pesquisadora, Bruna Ferreira, o novo produto é orgânico e se mostrou mais eficiente que outros coagulantes convencionais.

A professora Tatiane Carnaval, que coordena o estudo, trabalha há mais de 15 anos na área, e explica como funciona o produto quando entra em contato com a água.

Os custos do novo coagulante ainda não foram detalhados. Mas a previsão é que ele tenha um preço acessível já que o processo de extração é simples e a modificação química não implica em grandes investimentos.

Edição: Sheily Noleto / Guilherme Strozi

Últimas notícias
Economia

Em junho, balança comercial registra saldo positivo de U$ 8,8 bilhões

O Brasil exportou mais de U$ 32,7 bilhões em produtos ao longo do mês passado. E comprou de outros países quase U$ 24 bilhões.

Baixar arquivo
Geral

Funcionários podem ser punidos em caso de difamação nas redes

Os funcionários podem usar suas redes sociais para fazer desabafos sobre o trabalho desde que não violem o direito à imagem e à privacidade da empresa

Baixar arquivo
Geral

TSE: eleições terão novos recursos de acessibilidade

O vídeo feito por uma intérprete de Libras será exibido em todas as 577 mil urnas eletrônicas preparadas para a eleição de outubro

Baixar arquivo
Economia

Doação de pessoa para campanha via PIX só pode ser feita com CPF

A decisão por unanimidade foi do plenário do Tribunal Superior Eleitoral na sessão desta sexta-feira.

Baixar arquivo
Cultura

Sinal da TV Brasil chega a Feira de Santana, na Bahia

O sinal da TV pública nacional agora pode ser assistido na região pelo canal aberto, disponível para mais de 700 mil telespectadores.  

Baixar arquivo
Educação

Vestibular de 2023 da USP terá novo critério de classificação

Todos os candidatos, incluindo alunos cotistas, vão disputar primeiro as vagas de Ampla Concorrência. Já os que fizeram todo o Ensino Médio em escolas públicas também concorrem às vagas destinadas a alunos de Escolas Públicas e os candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas ainda podem disputar as vagas destinadas às cotas raciais, as chamadas PPI.

Baixar arquivo