Alerj aprova extinção das UPPs; projeto vai à nova votação

Rio de Janeiro

Publicado em 20/02/2019 - 11:17 Por Ícaro Matos - Rio de Janeiro

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro aprovou nessa terça-feira (19), em primeiro turno, o projeto de lei que prevê a extinção das UPPs, as Unidades de Polícia Pacificadora.

 

O texto foi aprovado em votação simbólica, mas ainda será submetido a nova apreciação pelo plenário da Casa, em data ainda a ser definida.

 

Se for novamente aprovada, a proposta seguirá para o governador do Rio, Wilson Witzel, que poderá sancionar ou vetar a medida.

 

O texto prevê que os policiais militares que atuam nas UPPs sejam redistribuídos entre os batalhões da Polícia Militar (PM) de forma igual, cabendo ao comandante-geral da corporação definir as áreas de lotação, de acordo com os índices de criminalidade de cada local.

 

O autor do projeto, deputado Rosenverg Reis, do MDB, justificou a proposta afirmando que, após dez anos de funcionamento, o Programa de Polícia Pacificadora já dá sinais de esgotamento e não apresenta mais bom desempenho.

 

Ele argumenta que a violência voltou a ser rotina em boa parte das comunidades com UPP e que a extinção do programa vai possibilitar o reforço do policiamento ostensivo no estado.

 

Em maio do ano passado, o Gabinete de Intervenção Federal na Segurança Pública do Rio de janeiro já tinha dado início a um projeto de reformulação do Programa de Polícia Pacificadora. A intenção era acabar com 19 das 38 UPPs existentes, onde, de acordo com estudo da própria Polícia Militar, as forças de segurança já tinham perdido o controle das comunidades.

 

O Programa de Polícia Pacificadora foi lançado em dezembro de 2008 e anunciado como a principal política de segurança pública do governo de Sérgio Cabral.

 

O objetivo da medida era retomar o controle de comunidades dominadas pelo crime organizado, principalmente por traficantes de drogas, e que apresentavam altos índices de violência.

 

A primeira Unidade de Polícia Pacificadora foi instalada no Morro Santa Marta, em Botafogo, na zona sul do Rio. Depois, o programa chegou a mais 37 comunidades da região metropolitana, empregando um efetivo total de cerca de 9 mil policiais.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Governo vai expandir possibilidade de sinal de rádio FM

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, assinou nesta quinta-feira (13) uma portaria, junto com o presidente Jair Bolsonaro, para regularizar o serviço de retransmissão de rádio.

Baixar arquivo
Saúde

Rio registra aumento de leitos hospitalares pela 1ª vez em 10 anos

Após a perda de 16 mil leitos hospitalares, apenas entre 2011 e 2019, o Rio de Janeiro viu, em 2020, pela primeira vez, aumento no registro de vagas nas unidades de saúde.

Baixar arquivo
Política

Pesquisa DataSenado faz mapeamento de como a pandemia afetou o ensino

Estudante do oitavo ano do ensino fundamental em Brasília, Arthur Cardoso relata os desafios que tem enfrentado desde que as escolas fecharam, por consequência da pandemia do novo coronavírus.
 

Baixar arquivo
Saúde

Planos de saúde devem cobrir teste rápido de Covid-19

Os planos de saúde são obrigados a cobrir os testes sorológicos para a Covid-19. A medida foi aprovada pela Diretoria da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por unanimidade, em reunião nesta quinta-feira (13).

Baixar arquivo
Economia

Governo lança aplicativo eSocial Doméstico para empregadores

A partir de agora o eSocial  tem aplicativo para celulares. Com a medida, empregadores poderão realizar registro do empregado e gerenciamento da folha de pagamento pelo celular.

Baixar arquivo
Política

Saúde diz que usou 48% dos recursos destinados ao combate à pandemia

O Ministério da Saúde gastou 48% dos recursos destinados exclusivamente para o combate à pandemia da Covid-19, informou o ministro interino da pasta, Eduardo Pazuello, durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (13) no Congresso Nacional.

Baixar arquivo