Paulo Preto é condenado a mais de 27 anos de prisão

Lava Jato

Publicado em 01/03/2019 - 09:00 Por Priscilla Mazenotti - Brasília

O ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, foi condenado a 27 anos e 8 dias de prisão, sendo os sete primeiros anos em regime fechado.

 

Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) de ter fraudado licitações e participado de formação de cartel em obras do trecho sul do Rodoanel e do Sistema Viário Metropolitano de São Paulo, entre 2004 e 2015.

 

Paulo Preto está preso desde a semana passada, quando foi deflagrada a 60ª fase da Operação Lava Jato. A operação investiga um complexo esquema de lavagem de dinheiro de corrupção praticada com a Odebrecht.

 

Paulo Preto é apontado como operador de esquemas envolvendo o PSDB em São Paulo. Pelos cálculos da procuradoria, as transações investigadas ultrapassam R$ 130 milhões.

 

Na decisão que resultou na condenação de Paulo Preto, a juíza Maria Isabel do Prado, da 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo, aponta que o réu “tinha plena consciência da ilicitude de sua conduta” e que, “na qualidade de diretor de Engenharia da Dersa, se valeu das facilidades do cargo para o cometimento de diversos crimes, apresentando danos imensuráveis ao patrimônio público e à pessoa jurídica, em sistema sofisticado de fraudes a licitações.

 

O cartel foi delatado por executivos da construtora Odebrecht, da Queiroz Galvão e da Carioca.

 

A denúncia aponta que a Odebrecht elaborou duas planilhas: uma, a planilha do “amor” - com as dez construtoras do cartel, mais outras habilitadas - e a da “briga”, para o caso de haver disputa real nos preços entre as empresas do esquema e as demais.

 

Com “amor”, a obra saía mais cara. Cada lote foi avaliado pela Odebrecht com preços entre R$ 496 milhões e R$ 567 milhões se houvesse sucesso no esquema.

 

Em caso de “briga”, com concorrência parcial, as propostas ficavam entre R$ 410 milhões e R$ 518 milhões.

 

Ainda de acordo com a força-tarefa da Lava Jato em São Paulo, o cartel teve seis fases distintas e começou a ser organizado em 2004, com o fornecimento de material sigiloso da Dersa.

 

Procurada pela reportagem, a defesa de Paulo Preto informou que não vai se pronunciar.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Governo vai expandir possibilidade de sinal de rádio FM

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, assinou nesta quinta-feira (13) uma portaria, junto com o presidente Jair Bolsonaro, para regularizar o serviço de retransmissão de rádio.

Baixar arquivo
Saúde

Rio registra aumento de leitos hospitalares pela 1ª vez em 10 anos

Após a perda de 16 mil leitos hospitalares, apenas entre 2011 e 2019, o Rio de Janeiro viu, em 2020, pela primeira vez, aumento no registro de vagas nas unidades de saúde.

Baixar arquivo
Política

Pesquisa DataSenado faz mapeamento de como a pandemia afetou o ensino

Estudante do oitavo ano do ensino fundamental em Brasília, Arthur Cardoso relata os desafios que tem enfrentado desde que as escolas fecharam, por consequência da pandemia do novo coronavírus.
 

Baixar arquivo
Saúde

Planos de saúde devem cobrir teste rápido de Covid-19

Os planos de saúde são obrigados a cobrir os testes sorológicos para a Covid-19. A medida foi aprovada pela Diretoria da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por unanimidade, em reunião nesta quinta-feira (13).

Baixar arquivo
Economia

Governo lança aplicativo eSocial Doméstico para empregadores

A partir de agora o eSocial  tem aplicativo para celulares. Com a medida, empregadores poderão realizar registro do empregado e gerenciamento da folha de pagamento pelo celular.

Baixar arquivo
Política

Saúde diz que usou 48% dos recursos destinados ao combate à pandemia

O Ministério da Saúde gastou 48% dos recursos destinados exclusivamente para o combate à pandemia da Covid-19, informou o ministro interino da pasta, Eduardo Pazuello, durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (13) no Congresso Nacional.

Baixar arquivo