Vacina contra covid-19: governos já pensam em atrasar 2ª dose

Quantidade que pode ser fabricada não faz alcançar imunidade coletiva

Publicado em quinta-feira, 14 Janeiro, 2021 - 10:08 Por Victor Ribeiro - Brasília

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que o mundo não deve alcançar este ano a imunidade coletiva contra a covid-19. Isso porque a quantidade de vacinas que podem ser fabricadas não é suficiente. Por isso, pesquisadores começaram a pensar em alternativas.

No Reino Unido e no Brasil, os governos já falam na possibilidade de atrasar a segunda dose da vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. Aqui no Brasil, o estudo sobre esse imunizante é conduzido pela Fiocruz.

A médica Raquel Stucchi, da Sociedade Brasileira de Infectologia, avaliou que a estratégia de atrasar a segunda dose para vacinar mais pessoas pode funcionar, mas a segunda dose ainda é necessária e precisa ser aplicada no máximo 3 meses depois da primeira.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, comentou, na semana passada, sobre a possibilidade de atrasar a segunda etapa de vacinação. De acordo com ele, a primeira dose já garante 71% de imunidade ao novo coronavírus.

A infectologista Raquel Stucchi afirmou que a segunda dose deve ser para toda a população, respeitando os grupos prioritários. Para ela, seria antiético fazer a segunda vacinação para um grupo mais restrito de pessoas.

Há três anos, o Brasil enfrentou um surto de febre amarela e a quantidade de vacinas na época também era insuficiente. A solução encontrada foi fracionar, dividir a dose que garantiria imunidade por 10 anos, em 10 doses menores, que protegessem as pessoas por pelo menos um ano.

A infectologista explicou que já existia pesquisa sobre a eficácia do fracionamento daquela vacina, mas a ciência ainda não sabe se essa solução pode servir para a vacina contra a covid-19.

Raquel Stucchi lembrou que, acidentalmente, parte dos voluntários da pesquisa da vacina de Oxford/AstraZeneca recebeu meia dose na primeira etapa de vacinação e esse esquema teve mais eficácia na comparação com quem recebeu a dose inteira. Mas, segundo ela, até mesmo essa vacina deve ser aplicada com doses inteiras.

As primeiras unidades da vacina de Oxford/AstraZeneca devem chegar ao Brasil no sábado (16). Serão 2 milhões de doses, fabricadas pelo Instituto Serum, da Índia. Se o uso emergencial das vacinas da Fiocruz e do Butantan for aprovado pela Anvisa, as doses devem começar a ser distribuídas já na semana que vem.

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Educação

Rio de Janeiro define como será volta às aulas

No plano de volta às aulas apresentado pela prefeitura, o Rio de Janeiro vai oferecer aulas presenciais e remotas. A previsão é que uma plataforma digital seja lançada para possibilitar que estudantes acompanhem aulas ao vivo de forma remota. 

Baixar arquivo
Geral

Rio de Janeiro tem terceiro maior tempo de viagem no mundo

O Rio de Janeiro (RJ) tem o terceiro maior tempo médio de viagem do mundo, com 67 minutos, segundo pesquisa sobre mobilidade urbana apresentada pela empresa de mobilidade Moovit. O estudo também mostrou que Curitiba (PR) tem a maior distância média percorrida em uma viagem no mundo. 

Baixar arquivo
Política

MP Eleitoral pede ao TSE cassação do governador do Pará

Helder Barbalho e o vice-governador, Lúcio Vale, são acusados de abuso de poder econômico e utilização indevida dos meios de comunicação social na campanha eleitoral de 2018, inclusive com a disseminação de fake news.

Baixar arquivo
Geral

Festa de Iemanjá, em Salvador, não terá público

Um dos mais importantes eventos populares da Bahia, a Festa de Iemanjá vai seguir em 2021 os mesmos moldes adotados para a Lavagem do Bonfim e a Procissão dos Navegantes, ou seja: não terá público.

Baixar arquivo
Cultura

Blocos do Rio lançam campanha Unidos pelo Distancimento

Os tradicionais blocos de rua de carnaval do Rio de Janeiro que todo ano arrasta multidões pela cidade, está mobilizando os foliões para fazer um carnaval diferente: sem aglomerações. A campanha, que recebeu o nome de "Unidos pelo distanciamento social", tem como meta promover o distanciamento social e evitar um aumento repentino de casos de Covid-19 durante o período. 

Baixar arquivo
Segurança

MP apura se governo de RO fraudou leitos para manter plano de abertura

De acordo com o Ministério Público, no início de janeiro teria ocorrido a inclusão indevida de 30 leitos do Hospital de Campanha da Zona Leste, que nunca estiveram disponíveis por falta de médicos. Em outra ocasião, o relatório apresentava leitos disponíveis, mas 30 pacientes aguardavam na fila por uma vaga de UTI no estado

Baixar arquivo