Estudo indica que Rio tem mais operações policiais em áreas do tráfico

Já nas áreas controladas por milícias as incursões são menores

Publicado em 01/11/2020 - 10:22 Por Lígia Souto - Rio de Janeiro

As operações policiais realizadas na cidade do Rio de Janeiro ao longo das últimas décadas foram mais frequentes nas áreas dominadas por traficantes de drogas do que nos territórios onde prevalecem grupos de milícia. A conclusão é de um relatório preliminar lançado pelo Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos, da Universidade Federal Fluminense e do Observatório das Metrópoles da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Com o título 'A expansão das Milícias no Rio de Janeiro', o levantamento detalha que das 569 operações realizadas no ano passado, 45,5% se concentraram nas regiões onde há disputa por território, seja por traficantes ou milicianos. Na sequência do ranking, aparecem as áreas dominadas pelo Comando Vermelho, maior facção criminosa do estado, com quase 41% das ações. Os bairros dominados pela facção Terceiro Comando Puro registraram 6,9% das atividades policiais de 2019. 

Ao confrontar os números, o estudo mostra que acontece o inverso com as milícias: mesmo estando presentes em mais 1/5 dos bairros da Região Metropolitana, as incursões policiais nesses territórios representaram apenas 6,5% do total das ações do período. 

Em todo o estado do Rio de Janeiro, as milícias, grupos armados ilegais, vêm expandindo atuação criminosa, por meio da extorsão a moradores e comerciantes e do controle de serviços clandestinos, como transporte alternativo, TV a cabo e segurança, por exemplo.

A coordenadora do Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos, Carol Grillo, explica que por serem menos fiscalizadas, as milícias se favorecem com o que ela chamou de "dupla vantagem" em relação às facções do tráfico.

Procurada, a Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Urbanismo, disse que atua com rigor para coibir irregularidades. E ressaltou que nas regiões conflagradas é necessário o apoio da Polícia Militar, citando, ainda, a decisão do Supremo Tribunal Federal que suspendeu operações policiais nas comunidades durante a pandemia. 

Já a PM disse que não comenta pesquisas elaboradas com base em dados não oficiais. A nota afirma, no entanto, que a corporação continua no combate ao crime organizado, realizando operações com base na inteligência ou participando de ações em apoio às forças de segurança.

Edição: Joana Lima

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

STJ decide que plano de saúde deve custear remédio de canabidiol

O Superior Tribunal de Justiça determinou que uma operadora de plano de saúde forneça medicamentos à base de canabidiol a um paciente diagnosticado com epilepsia grave. O canabidiol é extraído da Cannabis sativa, planta conhecida como maconha.

Baixar arquivo
Política

PEC dos Precatórios deve ser votada nesta quarta na Câmara

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, marcou para esta quarta-feira a votação da PEC dos Precatórios. Prevista na pauta dessa terça-feira, Lira justificou que o adiamento foi necessário porque faltava conversar com alguns líderes sobre o texto.

Baixar arquivo
Geral

Santa Catarina passa a adotar número de RG igual ao do CPF em novembro

. Quem já tiver o RG, o número continua valendo, mas quem for emitir a primeira via já não vai contar com um número separado do RG.

Baixar arquivo
Saúde

Alerj aprova liberação do uso de máscaras ao ar livre no estado do Rio

O projeto aprovado pela Alerj ainda precisa seguir para sanção ou veto  do governador Cláudio Castro, que tem um prazo de 15 dias para publicar a decisão.

Baixar arquivo
Geral

Roubo de cabos de energia dificultou trajetos do metrô em São Paulo

Segundo o Metrô, foram roubados 30 metros de cabos do sistema que alimenta a energia dos trens. A confusão começou por volta das 5h e também comprometeu a operação na Linha Azul.

Baixar arquivo
Saúde

INCA alerta para perigos do consumo coletivo de narguilés na pandemia

Para além dos riscos da transmissão de doenças como a covid, caso a mangueira seja compartilhada, uma sessão de narguilé, que costuma durar entre 1hora a 90 minutos, equivale ao consumo de 100 cigarros comuns. 

Baixar arquivo