Brasil: Apenas 44% dos assassinatos de 2018 foram esclarecidos

Publicado em 13/10/2021 - 21:53 Por Fabiana Sampaio - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

Apenas 44% dos assassinatos ocorridos em 2018 no Brasil foram esclarecidos. É o que aponta a pesquisa"Onde Mora a Impunidade", do Instituto Sou da Paz, divulgada nesta quarta-feira, com base em informações de 17 estados brasileiros. 

O Paraná tem a menor taxa de esclarecimento de homicídios: 12%. O Rio de Janeiro, que ficou em último no ranking em 2020, passou de 11% para 14%; seguido da Bahia, que subiu de 4%, na segunda edição da pesquisa, para 22%.

Para o gerente de Advocacy do Instituto Sou da Paz, Felippe Angeli, as baixas taxas de solução desse tipo de crime no país  são resultado da não priorização do problema pelas autoridades. Ele cita como reflexo disso que apenas 10% da população prisional está sendo condenada ou acusada por crime de homícidio.

Felippe Angeli avalia que é preciso haver colaboração federativa na implementação das políticas de segurança para mudar esse quadro.

Para quem perdeu um familiar, a demora em receber respostas aumenta ainda mais a dor. É o caso de  Isimar de Jesus, mãe de Victor Hugo de Jesus, de 17 anos, morto em uma ação policial em 2018, junto com o amigo Vitor Oliveira, de 18 anos, em São João de Meriti, na baixada fluminense. Passados mais de três anos, as mortes dos dois jovens ainda não foram esclarecidas.

No topo do ranking dos estados com maiores percentuais de esclarecimento de homicídios está Mato Grosso do Sul, com 89%, seguido de Santa Catarina, com 83% e o Distrito Federal, com 81%.

A capital federal piorou o  percentual em relação à última edição da pesquisa, quando apresentou taxa de 91%. 

De acordo com o estudo, dez estados brasileiros não foram capazes de informar quantos homicídios esclareceram. 

As informações sobre as ações penais de homicídios dolosos, quando há intenção de matar, foram solicitadas aos Ministérios Públicos e aos Tribunais de Justiça das 27 unidades federativas por meio da Lei de Acesso à Informação. Os dados desta pesquisa são de crimes ocorridos em 2018 e esclarecidos até 2019. 

Edição: Bianca Paiva / Beatriz Arcoverde

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Economia

Municípios do RJ investiram apenas 2,7% do orçamento, afirma Firjan

O resultado é de um estudo da Firjan, Federação das Indústrias do Estado, que analisou dados de mais de 5.200 cidades brasileiras.

Baixar arquivo
Esportes

Rio é escolhido como principal viagem esportiva da América do Sul

O anúncio foi feito, em Londres, pelo World Travel Awards, iniciativa global que reconhece a excelência em viagens e turismo mundo afora.

Baixar arquivo
Saúde

Conitec recomenda consulta pública sobre tratamento de covid-19

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde, do Ministério da Saúde, recomendou hoje (21) o encaminhamento para consulta pública das diretrizes sobre os medicamentos para tratamento de covid-19. A reunião extraordinária da Conitec ocorreu na manhã desta quinta-feira e durou cerca de cinco horas.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

7 mil crianças e adolescentes são mortos a cada ano, diz UNICEF

7 mil crianças e adolescentes, em média, são mortos a cada ano no Brasil. E 45 mil meninos e meninas sofrem violência sexual no país anualmente, desde 2016.

Baixar arquivo
Educação

Rondônia proibe que escolas usem linguagem neutra, como o "todes"

A linguagem neutra propõe o uso de expressões e troca de letras em palavras para evitar a binaridade entre os gêneros masculino e feminino. Por exemplo, amigos ficaria “amigues” e os pronomes ele e ela, ficariam “elu”.

Baixar arquivo
Esportes

Cidade de São Paulo realiza Jogos LGBTQIAP+ para promover a inclusão

A competição vai contar com três modalidades: futebol de campo, futsal e vôlei. Ainda dá tempo de se inscrever, mas é preciso correr, o prazo termina a meia noite desta sexta-feira.

Baixar arquivo