Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Festival Latinidades discute democratização da comunicação

Publicado em 26/07/2016 - 23:25

Por Heloisa Cristaldo - Repórter da Agência Brasil Brasília

Brasília - Jornalistas da EBC, Luciana Barreto e Juliana Cézar Nunes participam de debate sobre a atual estrutura do sistema de comunicação brasileiro, no Festival Latinidades (Wilson Dias/Agência Brasil)

Festival Latinidades discutiu a democratização da comunicação no país, marcos regulatórios relacionados à comunidade afrodescendente e a inserção do negro nas mídias tradicionais Wilson Dias/Agência Brasil

A democratização da comunicação no país, marcos regulatórios relacionados à comunidade afrodescendente e a inserção do negro nas mídias tradicionais foram temas discutidos nesta terça-feira (26) no Festival Latinidades. O evento, em sua nona edição, vai até domingo (31) no Museu Nacional em Brasília.

Na mesa de abertura do Latinidades, a jornalista e âncora do jornal Repórter Brasil Tarde, TV Brasil, da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Luciana Barreto, ressaltou a importância do protagonismo negro dentro do jornalismo no Brasil e o impacto dessas referências para a juventude do país. A jornalista destacou ainda a importância do papel da cobertura jornalística na desconstrução de estereótipos da identidade negra.

Brasília - Jornalista da EBC, Luciana Barreto participa de debate sobre a atual estrutura do sistema de comunicação brasileiro, no Festival Latinidades (Wilson Dias/Agência Brasil)

A jornalista da EBC Luciana Barreto ressaltou a importância do protagonismo negro dentro do jornalismo no BrasilWilson Dias/Agência Brasil

“A televisão reproduz estereótipos e viola nossa identidade”, disse. Para Luciana, é necessário que haja ocupação dos espaços na comunicação por minorias para que as temáticas sobre esses grupos não sejam retiradas do noticiário nacional ou veiculados de forma equivocada. “Os meios de comunicação estão destruindo, massacrando a nossa identidade. Temos que brigar para ocupar esse lugar porque é uma forma de resistir a essa cultura”.

Políticas afirmativas

As políticas afirmativas voltadas para afrodescendentes, como sistema de cotas, foi um dos aspectos abordados pela jornalista e secretária executiva do Conselho Curador da EBC, Juliana Cézar Nunes. Para ela, a articulação do movimento negro ajudou a potencializar o uso das redes sociais como instrumento de conexão e empoderamento da comunidade negra.

“Acho que o grande salto foi quando conseguimos articular o campo da cultura e da comunicação. Quem na cultura negra ganhava dinheiro com a cultura negra eram os brancos. Resgatar marcos e espaços importantes de articulação ajudou a potencializar o uso que a gente faz das redes sociais”, disse. Para a jornalista, os desafios da comunicação são financiamento de mídias, o debate sobre marcos regulatórios em telecomunicações e o acesso à interatividade na TV digital, que deve iniciar seu funcionamento no país a partir de 2018.

Também participaram do debate o fundador da Casa de Cultura Tainã e da Rede Mocambos - que atuam para a apropriação de softwares livres por comunidades quilombolas, indígenas e periféricas, Mestre TC, de São Paulo, e o produtor cultural do Rio de Janeiro Dom Filó, um dos mentores, na década de 1970, do Movimento Black Rio.

Festival

Brasília - A 9 edição do Festival Latinidades enfoca a comunicação na luta pelos direitos das mulheres negras e contra o racismo (Wilson Dias/Agência Brasil)

A Latinidades inclui debates, conferências, lançamentos de livros, oficinas, cinema, feiras e showsWilson Dias/Agência Brasil

A programação, disponível no site www.afrolatinas.com.br, inclui debates, conferências, lançamentos de livros, oficinas, cinema, feiras e shows, entre outras atividades. O festival traz ainda uma exposição de fotos que retrata quilombolas de várias regiões do país e de diferentes faixas etárias que, em 18 de novembro de 2015, participaram, em Brasília, da Marcha das Mulheres Negras – Contra o Racismo, a Violência e pelo Bem-Viver, evento que reuniu representantes das mais de 3 mil comunidades quilombolas.

Na programação musical do Latinidades estão as artistas Tati Quebra Barraco, MC Carol, Pretas Sonoras e DJs da festa Batekoo, de Salvador. Também estão entre os destaques a saxofonista norte-americana Hope Clayburn e a cantora nigeriana Veronny Okwei Odili. O festival ainda tem atrações para crianças no Espaço Infantil, com brincadeiras, roda de conversa e bailinho.

Organizado pelo Instituto Afrolatinas, o evento deste ano tem a parceria das Nações Unidas no Brasil e patrocínio do governo do Distrito Federal.

 

 



Museu Nacional sedia 9ª edição do Festival Latinidades

Edição: Fábio Massalli

Últimas