Digite sua busca e aperte enter

Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) Antonio Cruz/ Agência Brasil

Compartilhar:

Violência contra a mulher: maioria de casos é reincidente

Especialista destaca importância de denúncias para fim de ciclo

Publicado em 22/08/2018 - 08:10

Por Débora Brito – Repórter da Agência Brasil Brasília

Na manhã da última sexta-feira (17), em uma região movimentada da capital federal, Amanda*, 34 anos, era sacudida no ar pelo parceiro na frente de diversas pessoas que circulavam apressadas. Mesmo assim, homens e mulheres pararam para observar a briga por alguns minutos.

A caminho do trabalho, uma psicóloga – que atende no Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) – foi a única a intervir na situação. Com a ajuda de dois vigilantes do local, se aproximou do casal. O homem não apresentou resistência e, minutos depois, foi conduzido por policiais militares para a Delegacia Especial de Atendimento à Mulher.

Já Amanda foi levada para o Ceam, onde foi acolhida para se acalmar e relatar a situação. “Estou com medo”, disse a vítima para a psicóloga. As agentes sociais deram orientações com relação a direitos e acompanharam a mulher até a delegacia para registrar a ocorrência.

Amanda*, 34 anos, é conduzida por agentes do Ceam de policiais militares para fazer o boletim de ocorrência de agressão
Amanda*, 34 anos, é conduzida por agentes do Ceam e policiais militares para fazer o boletim de ocorrência por agressão do companheiro - Antonio Cruz/ Agência Brasil

O episódio, acompanhado pela equipe de reportagem da Agência Brasil, não foi o primeiro vivido por Amanda. Há três meses, ela já tinha sido acolhida pela Casa Abrigo por agressões do companheiro, incluindo estrangulamento e ameaça de morte.

Segundo a assistente social que chefia um dos Ceams do DF, Graciele Reis, casos reincidentes de violência contra a mulher são comuns e, quando não denunciados ou expostos, podem resultar em crimes mais graves como o feminicídio.

De acordo com Graciele, pelo menos duas mulheres foram mortas pelos parceiros depois de saírem do acolhimento na Casa Abrigo – local que faz parte de uma rede de instituições que visam a prestar assistência às vítimas e aos seus filhos.

A assistente social Graciele Reis é a coordenadora do Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)
A assistente social Graciele Reis é a coordenadora do Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) - Antonio Cruz/ Agência Brasil

“Não é apenas violência física. Nós temos a violência moral e psicológica até a financeira. E sabemos que a primeira violência não para por aí. Muitos feminicídios poderiam ter acabado com uma denúncia nas fases iniciais”, alerta a secretária nacional de Mulheres, Andreza Colatto.

Aumento no Distrito Federal

Entre os casos recentes de feminicídio que ganharam visibilidade na mídia neste mês, pelo menos três ocorreram em Brasília. Segundo estatística da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, de janeiro a junho deste ano, foram registrados 14 casos de feminicídio e 33 tentativas de homicídio de mulheres.

Os crimes de feminicídio representam 6% do total de assassinatos ocorridos na capital federal. O percentual é o dobro do registrado nos anos anteriores.

O principal meio utilizado pelo agressor é a arma de fogo, seguido da arma branca. Metade das vítimas tem entre 30 e 50 anos de idade. Três em cada dez mulheres mortas no DF têm entre 18 e 29 anos.

Segundo a Secretaria de Segurança, na maior parte das ocorrências, as mulheres foram vítimas das agressões em suas próprias casas. Os principais autores dos crimes eram companheiros ou namorados das vítimas.

Do total de 14 casos registrados, a Polícia Militar do DF prendeu nove assassinos em flagrante. Quatro agressores se mataram e um está foragido. Sete deles já tinham antecedentes criminais.

 

 

 

*Nome fictício para preservar a identidade da vítima

 

Edição: Lílian Beraldo

Últimas notícias