Você está aqui

Armando Monteiro promete plano para estimular exportações

  • 07/01/2015 17h36publicação
  • Brasílialocalização
Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

O novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, recebe o cargo de seu antecessor, Mauro Borges, em solenidade no Banco Central (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro recebe o cargo do antecessor, Mauro Borges, em solenidade no Banco Central    Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Para enfrentar a queda do preço das commodities (bens primários com cotação internacional) e a perda de competitividade da indústria, o governo lançará, nos próximos dias, um plano para estimular as exportações. O anúncio foi feito hoje (7) pelo novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, ao receber o cargo do antecessor, Mauro Borges.

Segundo Armando Monteiro, o plano será arrojado e negociado com diversas áreas do governo. As medidas serão estruturadas nos seguintes eixos: desburocratização, desoneração das exportações, plano de investimentos para reduzir a idade média do maquinário industrial e estímulos aos financiamentos para estimular exportações das micro, pequenas e médias empresas.

“Atualmente, 100 empresas concentram dois terços das exportações brasileiras. Precisamos encontrar um jeito de estimular as vendas externas das micro, pequenas e médias empresas”, declarou. Para o novo ministro, somente a melhoria da competitividade da economia pode impulsionar as exportações, que caíram no ano passado.

Outro desafio apontado por Armando Monteiro será o aumento da produtividade da indústria, cuja participação no Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) tem se reduzido cada vez mais. “A agenda da competitividade da indústria é imprescindível. O setor vem perdendo espaço na economia. Desde 1985, a participação [da indústria] declinou de 25% para 14% do PIB”, informou.

O novo ministro disse ainda que a redução de gastos públicos a ser posta em prática pela nova equipe econômica não pode afetar as políticas comerciais e de estímulo à indústria. “O necessário ajuste macroeconômico não pode ter efeito paralisante na agenda de promoção da competitividade. É preciso encontrar espaço para, em meio a essas restrições, impulsionar e dar absoluto sentido à agenda”, destacou.

A cerimônia de transmissão de cargo teve a presença de 15 ministros, entre os quais Joaquim Levy, da Fazenda, Alexandre Tombini, presidente do Banco Central, Nelson Barbosa, do Planejamento, Manoel Dias, do Trabalho, e Eduardo Braga, de Minas e Energia. O governador de Mato Grosso, Pedro Taques, também compareceu à solenidade.

O ex-ministro Mauro Borges reconheceu que a perda de competitividade da indústria foi o principal desafio da pasta nos últimos quatro anos. No entanto, mencionou medidas tomadas pelo governo nos últimos quatro anos para reverter o quadro, como o Plano Brasil Maior, a desoneração da folha de pagamento, o estímulo ao ensino técnico por meio do Pronatec e o programa de concessões de rodovias, portos, ferrovias e aeroportos à iniciativa privada.

“Acredito que os resultados [dessas políticas] virão no médio e longo prazos”, declarou Borges. “O Plano Brasil Maior concentrou-se na redução dos custos de produção, no adensamento da cadeia de produção e no crédito para inovação. Estas foram a marca do primeiro mandato [da presidenta Dilma Rousseff]. Agora, temos o desafio de uma nova agenda para a indústria na iminência da retomada de um novo ciclo de crescimento mundial”, acrescentou.

Edição: Armando Cardoso