Você está aqui

Diretor do BC diz que atividade econômica fraca é normal em ano de ajuste

  • 02/07/2015 11h01publicação
  • Brasílialocalização
Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil
Banco Central

Diretor do Banco Central reforçou que a volta do crescimento econômico virá com fortalecimento da confiança Antonio Cruz/Agência Brasil

O impacto na atividade econômica brasileira, que deve apresentar resultado abaixo do seu potencial, é normal em um ano de ajuste. A avaliação é do diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Luiz Awazu Pereira da Silva, que participa hoje (2), na França, do seminário da revista The Economist – Brazil Business Summit.

O diretor citou também que eventos não econômicos como as investigações da Operação Lava Jato se sobrepõem ao ciclo de negócios.

Luiz Awazu reforçou que a volta do crescimento econômico virá com fortalecimento da confiança. Ele citou que o governo tem uma agenda de concessões, com medidas para melhorar o capital físico (investimentos em infraestrutura) e o humano (educação).

O diretor defendeu os ajustes na economia, com cortes em gastos públicos e aumento da taxa básica de juros, a Selic, para que haja um realinhamento de preços no país. Ele destacou que o duplo ajuste de preços relativos (administrados e externos) impactou a inflação no primeiro semestre deste ano, elevando o resultado acumulado de 12 meses e as expectativas para 2015.

A Selic já passou por seis altas seguidas e está atualmente em 13,75% ao ano. O BC usa essa taxa para tentar conter a inflação, que deve estourar o teto da meta para o ano. A projeção do próprio BC indica inflação este ano acima da meta, em 9%. A meta de inflação para este ano e 2016 é 4,5%, com limite superior de 6,5%. Para 2017, o Conselho Monetária Nacional reduziu o limite superior para 6%.

“A redução da banda de tolerância da meta de 2017 reafirma esse compromisso com a meta de inflação de 4,5%”, destacou o diretor.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Embora ajude no controle dos preços, o aumento da taxa Selic prejudica a economia, que atravessa um ano de recessão, com queda na produção e no consumo.

“O objetivo da política monetária [elevações da taxa Selic] é evitar que o impacto do ajuste dos preços relativos em 2015 seja transmitido para 2016”, disse. Luiz Awazu acrescentou que a política monetária pode e deve conter os efeitos de segunda ordem para circunscrevê-los a este ano.

“Por essa razão, a política monetária está e se manterá vigilante para assegurar a convergência da inflação para a meta de 4,5% no final 2016”, ressaltou. Ele acrescentou que o Banco Central reitera que é preciso determinação e perseverança na luta contra a inflação. “A melhor contribuição da política monetária para um novo e virtuoso ciclo de crescimento econômico é trazer a inflação para a meta de 4,5% no final de 2016 e ancorar as expectativas”, reforçou o diretor.

O diretor disse ainda que o cenário internacional espera normalização dos juros pelo Federal Reserve, banco central americano. O aumento de juros pelo banco central dos Estados Unidos e a melhora da economia americana devem atrair mais investidores para aquele país e, por consequência, há um fortalecimento global do dólar. Luiz Awazu disse que mesmo com a melhor preparação e com boa comunicação do Federal Reserve, a volatilidade (fortes oscilações nos mercados financeiros) é possível.

O diretor destacou ainda que a saída da Grécia da zona do euro e retomada da moeda dracma acrescenta algum estresse. 

Para o diretor, as percepções sobre o Brasil estão melhorando, com o efeito positivo do ajuste macroeconômico. Apesar da melhora, ele destaca que é preciso continuar com o processo de ajuste. “Temos que manter os pilares macroeconômicos da nossa casa em ordem e estabilizado para o lift-off [normalização da taxa de juros americana]”, acrescentou.

Edição: José Romildo