Você está aqui

Bancos se unem para criar empresa de análise de crédito

  • 21/01/2016 10h05publicação
  • 21/01/2016 18h41atualização
  • Brasília e São Paulolocalização
Kelly Oliveira e Bruno Bocchini – Repórteres da Agência Brasil

O Banco do Brasil, Bradesco, a Caixa Econômica Federal, o Itaú Unibanco e Santander se uniram para criar uma empresa gestora de inteligência de crédito, que permitirá ao setor bancário e demais instituições da área aprimorar a capacidade de análise e gestão de suas carteiras de empréstimos, tanto de pessoas físicas quanto jurídicas (empresas). A expectativa é que serão necessários quatro anos para a estruturação tecnológica e geração de dados que viabilizem a operação da empresa gestora. A informação foi divulgada hoje (21) pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Segundo a Febraban, com a autorização prévia dos clientes, as instituições repassarão dados cadastrais e de crédito de pessoas físicas e jurídicas à gestora de inteligência, que formará um perfil desses clientes. “Em longo prazo, a criação da gestora proporcionará melhores condições na oferta e maior agilidade na liberação de operações de crédito com prazos e parcelas mais adequados à capacidade de pagamento e ao perfil de cada cliente”, destacou a federação.

A Febraban acrescentou que a expectativa é de que a empresa gestora e o consequente aperfeiçoamento da análise e gestão do crédito contribuam, no futuro, para a queda de spreads (diferença entre a taxa de captação de recursos pelos bancos e a cobrada dos clientes), da inadimplência e do superendividamento de clientes.

De acordo com o presidente da entidade, Murilo Portugal, a nova gestora – que ainda não tem um plano de negócio pronto – contribuirá para expansão do crédito no país, para queda de spreads (taxa de risco cobrada pelo banco, além dos juros, que varia de acordo com o tomador), da inadimplência e do superendividamento de clientes.

“Se pensarmos na expansão de 55% [de participação do crédito bancário em relação ao Produto Interno Bruto (PIB)] para 80%, como é no Chile, é uma capacidade enorme. A decisão dessa inciativa não foi baseada em circunstâncias conjunturais do presente, mas em circunstâncias estruturais e na grande força que a economia brasileira tem”, acrescentou Portugal.

Conforme a Frebaban, apenas depois da autorização prévia dos clientes, as instituições de crédito repassarão dados cadastrais e de crédito de pessoas físicas e jurídicas à nova gestora de inteligência de crédito. Os clientes “bons pagadores” poderão receber condições melhores para pagar os empréstimos.

* A matéria foi atualizada às 18h41 para inclusão de novas informações. 

Edição: Graça Adjuto