Você está aqui

Dólar aproxima-se de R$ 4 e encerra semana com alta de 2,11%

  • 12/02/2016 18h59publicação
  • Brasílialocalização
Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*

Em meio a um dia de oscilações, a moeda norte-americana voltou a subir e a se aproximar de R$ 4. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (12) vendido a R$ 3,989, com pequena alta de R$ 0,006 (0,14%). A moeda encerrou a semana com valorização de 2,11%. Em 2016, a divisa acumula alta de 1,05%.

O dólar começou a sexta-feira em alta. Por volta das 10h30, atingiu a máxima do dia, em R$ 4,002. Nas horas seguintes, a cotação recuou e atingiu R$ 3,97 por volta das 14h. A moeda norte-americana voltou a subir nas horas seguintes, até encerrar próxima da estabilidade.

Nas bolsas, o dia foi de recuperação. Depois da forte queda de ontem (-2,62%), o índice Ibovespa subiu 1,25%, encerrando em 39.808 pontos. O índice, no entanto, continua próximo dos níveis de março de 2009, no auge da crise econômica provocada pelo colapso do crédito imobiliário nos Estados Unidos.

As ações da Petrobras, as mais negociadas, também se recuperaram depois de caírem ontem (11). Os papéis ordinários, que dão direito a voto em assembleia de acionistas, subiram 6,77%, fechando em R$ 6,31. As ações preferenciais, que dão prioridade na distribuição de dividendos, valorizaram-se 5,20%, sendo vendidas a R$ 4,45.

Nos últimos dias, as commodities (bens primários com cotação internacional) têm caído fortemente por causa de dados que mostram a desaceleração da economia chinesa, mas se recuperaram levemente hoje. A cotação internacional do barril de petróleo, que tinha fechado em torno de US$ 28 ontem, encerrou o dia acima de US$ 31.

A retração da China, a segunda maior economia do planeta, prejudica países exportadores de commodities, como o Brasil, porque reduz a demanda global por matérias-primas e produtos agrícolas. Com as exportações mais baratas, menos dólares entram no mercado brasileiro, empurrando para cima a cotação da moeda norte-americana.


* Com informações complementares da Agência Lusa

Edição: Fábio Massalli