Você está aqui

IBGE: renda per capita média do brasileiro atinge R$ 1.113 em 2015

  • 26/02/2016 10h51publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Nielmar de Oliveira - Repórter da Agência Brasil*

A renda per capita média do brasileiro em 2015 chegou a R$ 1.113, variando entre os R$ 2.252 do Distrito Federal - o maior valor em todo o país - e os R$ 509 do Maranhão, o de menor peso. Em fevereiro de 2014, a renda era de R$ 1.052. As estimativas de rendimento nominal domiciliar per capita em 2015, para as 27 unidades da Federação, são decorrentes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua e foram divulgadas hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As informações também estão sendo encaminhadas ao Tribunal de Contas da União e servirão de base para o rateio do Fundo de Participação dos Estados (FPE), conforme definido pela Lei Complementar nº 143, de julho de 2013. Pelos dados divulgados, se destacam pelo lado positivo, além do Distrito Federal, seis estados com renda per capita acima da média nacional de R$ 1.113.

Pela ordem, aparecem São Paulo, a segunda maior renda per capita do país (R$ 1.482); Rio Grande do Sul (R$ 1.435); Santa Catarina (R$ 1.368); Rio de Janeiro (R$ 1.285); Paraná (R$ 1.241); e Minas Gerais (R$ 1.128). Além do Maranhão, com R$ 509, também aparecem com rendimento médio per capita abaixo da média nacional: Roraima (R$ 1.008); Amapá (R$ 849); Pernambuco e Rondônia (R$ 822); Tocantins e Rio Grande do Norte (R$ 818); Sergipe (R$ 782); Paraíba (R$ 776); Acre e Amazonas (R$ 752); Bahia (R$ 736); Piauí (R$ 729); Ceará (R$ 680); Pará (R$ 672); e Alagoas (R$ 598). 

A renda per capita média de Goiás foi R$ 1.077; no Espírito Santo, R$ 1.074; Mato Grosso, R$ 1.055; e Mato Grosso do Sul, R$ 1.045.

O que é

A Pnad Contínua é uma pesquisa domiciliar que, a cada trimestre, levanta informações socioeconômicas em mais de 200 mil domicílios, distribuídos em cerca de 3.500 municípios. Segundo o IBGE, os rendimentos domiciliares são resultado da soma dos rendimentos do trabalho e de outras fontes, recebidos por cada morador no mês de referência da entrevista, considerando todos os residentes em um domicílio.

Ao divulgar o rendimento domiciliar, o IBGE atende ao que dispõe a Lei Complementar 143/2013, que estabelece novos critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE) e os compromissos assumidos quanto à definição dos valores a serem repassados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) aos municípios.

Os valores que estão sendo informados ao TCU foram obtidos a partir dos rendimentos brutos do trabalho e de outras fontes, recebidos no mês de referência da entrevista, tomando o acumulado das primeiras visitas do 1º, 2º, 3º e 4º trimestres da Pnad Contínua que compõem o ano de 2015. No cálculo, são analisados todos os rendimentos. Os moradores são considerados no cálculo, inclusive os  classificados como pensionistas, empregados domésticos e parentes dos empregados domésticos.

* Texto alterado às 13h45 para correção de valores da renda per capita na Bahia, Minas Gerais, Alagoas e Pernambuco. Foram incluídos dados relativos a todos os estados. 

Edição: Kleber Sampaio