Você está aqui

Fazenda finaliza cálculos para anunciar corte no Orçamento da União

  • 21/03/2017 16h33publicação
  • Brasílialocalização
Paulo Victor Chagas - Repórter da Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que o valor do contingenciamento de recursos do Orçamento Geral da União, a ser anunciado nesta quarta-feira (22), ainda será definido nas próximas horas pela equipe econômica, levando em conta o que o país estima arrecadar até o fim do ano.

De acordo com Meirelles, as diversas reformas que têm sido promovidas, não apenas no campo fiscal, podem fazer com que a economia brasileira passe a crescer nos próximos anos a um ritmo de 4% ao ano. Em entrevista coletiva após participar de uma palestra para empresários estrangeiros, o ministro não descartou o aumento de impostos e disse que o valor do contingenciamento será a "combinação possível". De acordo com ele, o objetivo principal é cumprir a meta fiscal de 2017, com um déficit previsto de R$ 139 bilhões.

"Estamos finalizando os cálculos. Precisamos ver quanto vamos arrecadar com o leilão de petróleo e gás e quais são as estimativas com o novo programa de repatriação", afirmou, ao ser questionado sobre o valor do corte. As próximas rodadas de concessões de petróleo e gás ocorrerão em maio, setembro e novembro.

Sem detalhar a nova previsão do governo para o resultado do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país) deste ano, o ministro voltou a fazer uma estimativa de crescimento tendo como base o último trimestre de 2016 e a expectativa para o mesmo período deste ano. Seguindo essa lógica, espera-se que o o PIB cresça 2,7% no quarto trimestre deste ano, em comparação com 2016.

"Uma coisa é dizer o seguinte: esperamos arrecadar tanto com determinada ação. Mas, muitas vezes, não é possível já determinar isso no orçamento, que vai haver uma arrecadação de tanto. Então, vamos ter que dizer: 'a arrecadação prevista é essa, mas, se não arrecadar, vai haver um corte maior'", explicou.

Durante a palestra, em uma conferência para as cidades latino-americanas sobre as metas de crescimento e investimento brasileiros, Meirelles prometeu fazer minirreformas para que o país não apenas volte a crescer, mas "cresça mais".

O ministro procurou passar a mensagem de que o trabalho da equipe econômica envolve uma "amplitude" de reformas que não incluem apenas a macroeconomia, políticas fiscais e monetárias, mas também mudanças relacionadas ao crédito, à desburocratização e à racionalização de serviços.

Assim como em outras oportunidades, Meirelles voltou a prometer a redução do tempo que as empresas demoram para pagar impostos, a unificação de tributos sociais e mais agilidade na criação de negócios.

Segundo ele, se o governo diminuir a sua participação no PIB para poder se concentrar em mais investimentos, a média da taxa de crescimento dos próximos anos pode aumentar cerca de 0,7% a cada 12 meses, saindo da previsão atual, de 2,5%, para quase 4%.

"A ideia não é que vocês entendam todas as medidas. Isso estará no material. A ideia é dar a dimensão da amplitude de todas reformas que estão sendo feitas no Brasil", argumentou, ao apresentar slides em inglês para os participantes da conferência.

Mais cedo, passaram pelo evento o presidente Michel Temer e outros integrantes da equipe econômica do governo.

Edição: Amanda Cieglinski