Digite sua busca e aperte enter

Ensino a distância cresce mais que presencial Divulgação/MCTIC/Agência Brasil

Compartilhar:

Educação a distância cresce 17,6% em 2017; maior salto desde 2008

Alunos nesta modalidade chegaram a quase 1,8 milhão

Publicado em 20/09/2018 - 11:03

Por Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil Brasília

Um em cada cinco estudantes matriculados no ensino superior estuda a distância, de acordo com o Censo da Educação Superior divulgado hoje (20) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Enquanto o ensino presencial apresentou queda nas matrículas, a educação a distância (EaD) registrou o maior salto desde 2008.

Segundo os dados do censo, as matrículas em EaD cresceram 17,6% de 2016 para 2017. Os estudantes de educação a distância (EaD) chegaram a quase 1,8 milhão em 2017 – o equivalente a 21,2% do total de matrículas em todo o ensino superior.

O número de cursos no país também aumentou, de 2016 para 2017, passou de 1.662 para 2.108, o que representa aumento de 26,8% – maior crescimento desde 2009, quando o país passou dos 647 cursos registrados até 2008 para 844 cursos.

No total, o ensino superior tem cerca de 8,3 milhões de estudantes em cursos de graduação. Desses, 6,5 milhões estão matriculados em cursos presenciais. Ao contrário do que ocorreu nos cursos de EaD, o número de estudantes nos presenciais caiu 0,4% de 2016 para 2017.

A maior parte dos estudantes está matriculada em instituições de ensino privadas, com 75,3% das matrículas. Quando se trata apenas de EaD, essa porcentagem aumenta, as instituições particulares de ensino superior respondem por 90,6% dos estudantes.

Novos alunos

Dos 3,2 milhões de novos alunos registrados no ensino superior em 2017, a maioria (2,1 milhões) optou pelo ensino presencial – aumento de 0,5% em relação a 2016. A procura por cursos a distância cresceu mais. Os ingressantes passaram de 843 mil em 2016 para cerca de 1,1 milhão em 2017 – aumento de 27,3%.

Formação de professores

O percentual de professores formados em cursos EaD aumentou em 2017. Segundo os dados do Censo, em 2016, cerca de 42,1% das matrículas em licenciaturas eram a distância. Esse percentual passou para 46,8% em 2017. Ao todo, as licenciaturas representam 19,3% das matrículas no ensino superior.

Em relação à formação dos professores que atuam nos cursos EaD, segundo o censo, eles são, em grande parte, mestres. Enquanto na educação presencial, os professores com doutorado representam 51,1% do total, na EaD, eles representam 41,8%; outros 46,5% têm a formação até o mestrado.

A educação a distância tem conquistado também os cursos tecnológicos, com 46% do total das matrículas. Esses cursos, que podem durar dois ou três anos, são geralmente mais curtos que os bacharelados e mais voltados para a inserção no mercado de trabalho e representam 12,1% do total de matrículas no ensino superior.

Ministério da Educação

Para o ministro da Educação, Rossieli Soares, o crescimento das matrículas é importante, mesmo que em 2017 tenha se dado na modalidade a distância. “EaD ou presencial, ambas modalidades são possíveis e são importantes, considerando a realidade, a forma de acesso. Mas é importante também que trabalhe sempre dentro de uma perspectiva de qualidade seja ela presencial ou a distância, observada a regulação”, disse hoje, em coletiva de imprensa.

O ministro destacou a necessidade da ampliação do ensino superior, uma vez que o país tem 8,9 milhões de jovens de 18 a 24 anos que terminaram o ensino médio e não estão estudando. “Não estão cursando um curso superior, seja ele tecnológico, seja licenciatura ou bacharelado. Nós precisamos avançar em acesso.”

Em relação ao aumento também de licenciaturas EaD, Soares diz que as matrículas nem sempre se tratam de uma primeira formação. “EaD é, às vezes, a forma com que o professor que já está na sala de aula pode ter uma complementação pedagógica. Temos uma série de ofertas como a Universidade Aberta do Brasil, mantida pelo MEC e pela Capes, que traz a possibilidade de segunda licenciatura e atende regiões que, muitas vezes, não conseguiria ter condições de ter uma turma presencial.”

*Matéria ampliada às 13h45 para inclusão dos três útlimos parágrafos

Edição: Talita Cavalcante

Últimas