Você está aqui

Ministros da Saúde do Brics firmam acordo para combater tuberculose

  • 05/12/2014 15h45publicação
  • Brasílialocalização
Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil

Ministros da Saúde dos países que compõem o Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) anunciaram hoje (5) uma estratégia conjunta para ampliar o fornecimento de remédios para pacientes com tuberculose – em seu próprio território e em países de baixa renda. Eles estavam reunidos desde terça-feira (2), em Brasília.

O documento prevê a construção de uma proposta para o acesso universal a medicamentos de primeira linha contra a doença. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul representam, juntos, 50% dos casos de tuberculose notificados. O plano será finalizado em março do ano que vem, quando especialistas do Brics devem definir estratégias e metas a serem adotadas pelos países.

O ministro da Saúde do Brasil, Arthur Chioro, fala durante a 4 Reunião dos Ministros da Saúde do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) (José Cruz/Agência Brasil)

O ministro da Saúde do Brasil, Arthur Chioro, fala durante 4ª Reunião dos Ministros da Saúde do BricsJosé Cruz/Agência Brasil

O enfrentamento à má nutrição e a troca de informações sobre ações de prevenção à aids e ao ebola também foram citados pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, como compromissos firmados pelo grupo. “São cinco países extremamente populosos, em desenvolvimento, com papel estratégico hoje no mundo, e que se reúnem para discutir várias agendas. Na área da saúde, temos desafios comuns”, disse ele.

Na área de HIV e aids, o debate foi em torno da adesão às metas para melhorar a qualidade de vida das pessoas infectadas. Os países pretendem cumprir, até 2020, a meta estabelecida pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) e pela OMS, conhecida como 90-90-90 – testar 90% da população e, das pessoas que apresentarem resultado positivo, tratar 90% delas. Como resultado, conseguir que 90% das pessoas tratadas apresentem carga viral indetectável.

Sobre a epidemia de ebola, os representantes do Brics aprovaram a criação de um grupo de trabalho para desenvolver um plano conjunto de enfrentamento à doença. “Sob hipótese alguma podemos ficar tranquilos com o ebola. Há necessidade de continuar vigilante. Cada país fará a lição de casa, trabalhando no controle de portos e aeroportos, informando a população”, destacou Chioro.

De acordo com a pasta, nos encontros anteriores de ministros da Saúde do Brics – China (2011), Índia (2013) e África do Sul (2013) –, os governos apresentaram a necessidade de equacionar as diversas assimetrias na área de saúde. “Esta foi considerada por todos a mais proveitosa. Dá muita esperança de que nossa cooperação será cada vez mais produtiva”, concluiu o ministro da Saúde.

Edição: Stênio Ribeiro