Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Central Única de Favelas faz 17 anos e ganha espaço cultural no Rio

Publicado em 29/01/2015 - 18:14

Por Da Agência Brasil Rio de Janeiro

A Central Única de Favelas (Cufa), que está completando 17 anos de atuação em comunidades do estado do Rio de Janeiro, ganhou hoje (29) o  Espaço Cultural Marina Soares Athayde, localizado sob o Viaduto Negrão de Lima, em Madureira, na zona norte. O nome do espaço homenageia a mãe do fundador da Cufa, Celso Athayde, que durante quatro anos abrigou-se no local juntamente com os filhos.

O espaço conta com quadra poliesportiva, salas de aula, refeitório e setor administrativo e visa à integração dos jovens de favelas dominadas por facções rivais. A Cufa mobiliza cerca de 96 mil jovens e se destaca por alguns projetos, como a Taça das Favelas, torneio de futebol disputado por times formados nas comunidades.

As ações realizadas pela organização não governamental (ONG) estão presentes em 300 favelas, com atividades culturais e esportivas. A Cufa também promove ações para moradores de favelas em 27 estados e até em outros países. As crianças e jovens têm oportunidade de participar de oficinas de basquete, dança, grafite e teatro, além de aulas de inglês.

De acordo com o fundador da Cufa, a relação dele com a área agora ocupada pelo espaço cultural tem uma história vivida por ele, a mãe e o irmão. Durante os anos em que morou em baixo do viaduto com sua família, Athayde sonhava transformar o local em algo que  pudesse ser desfrutado com outras pessoas que também não tinham oportunidade na vida. Ele era morador de rua e chegou a praticar furtos, mas a realidade vivida agora, anos depois, é outra.

"Eu nunca pensei sequer em trabalhar com movimento social, porque o que eu pensava naquela época era apenas como iria sobreviver no dia seguinte. Pensar dois dias depois, isso era uma coisa que não fazia parte do nosso dia a dia, mas, de qualquer maneira, sempre que fazia as minhas besteiras em Madureira, os meus furtos, eu era agredido pelos guardas e dizia que, quando crescesse, ia expulsar os guardas do viaduto, que ia comprar o viaduto", lembrou Athayde.

Isso não aconteceu e os guardas hoje não são os mesmos e tornaram-se parceiros que ajudam a cuidar do espaço, acrescentou o fundador da Cufa. "Hoje esse local nada mais é do que um espaço com dignidade de qualificação para outras pessoas e outros jovens."
 

Edição: Jorge Wamburg

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.

Últimas notícias