Você está aqui

Cinco anos depois de tragédia, Teresópolis não consegue entregar casas

  • 12/01/2016 06h53publicação
  • Teresópolislocalização
Isabela Vieira – Repórter da Agência Brasil

Teresópolis - O Condomínio Parque Ermitage - obra do Programa Minha Casa, Minha Vida - na BR-116 está sendo construído para residência de parte dos desabrigados pela chuva em 2011 (Tomaz Silva/Agência Brasil)

As casas do Condomínio Parque Ermitage, do Programa Minha Casa, Minha Vida, serão destinadas para desabrigados pela chuva em 2011Tomaz Silva/Agência Brasil

O pequeno riacho que corta o bairro de Campo Grande, em Teresópolis, na serra fluminense, e só chega à altura do tornozelo, nem de longe lembra o imenso rio em que se transformou em 12 de janeiro de 2011. Naquela madrugada, o bairro foi arrasado por uma cabeça d'água que arrastou troncos, pedras e toneladas de lama, soterrando casas, automóveis e deixando um rastro de morte. Há cinco anos, a cidade contabilizou 390 mortos, 5 mil desabrigados e 311 pessoas desaparecidas por causa do excesso de chuvas na maior tragédia natural do país.

Hoje (12), cinco anos depois, a vegetação esconde o que restou de escombros de antigas casas e lojas demolidas, mas as marcas permanecem na memória de quem ainda luta para viver. Em Teresópolis, 2,1 mil pessoas ainda recebem R$ 500 de aluguel social e esperam as chaves das casas populares do Programa Minha Casa, Minha Vida. Apesar de quase prontas, as 1,6 mil unidades só serão entregues depois de construído um viaduto na rodovia de acesso ao condomínio.

Essa foi uma das exigências da Caixa Econômica Federal, que financiou os imóveis, preocupada com o intenso e perigoso tráfego de veículos próximo ao condomínio, que receberá 5 mil moradores.

“Foi problema de planejamento. Até se pensou nisso [no grande fluxo da rodovia], mas com a mudança de governo, foi empurrando, empurrando. Agora, há cerca de 700 casas para entregar [prontas desde 2015, com dois quartos, sala, banheiro e cozinha] e não se consegue por causa disso [do aval]”, explicou o secretário de Defesa Civil do município, coronel Roberto Silva.

A nova previsão é que a licitação do viaduto pelo governo do estado seja feita esta semana e a obra concluída no segundo semestre do ano, juntamente com uma passagem subterrânea.

Quem espera pela mudança não se conforma. A faxineira Angela Maria Lopes é uma delas. Depois de socorrer vizinhos, perder familiares, ela deixou para trás uma casa com três quartos, ainda nova, mas condenada pela Defesa Civil, para se salvar de novas tragédias no bairro Caleme. Teria, em troca, um novo apartamento entregue pelo governo estadual.

Onde morava, dezenas de pessoas morreram soterradas, atingidas pela tromba d'água. Hoje, Angela tenta se recuperar, trabalhando como diarista para pagar as contas da casa nova e psicólogo para a filha, de 16 anos. “Perdi sete pessoas da minha família, falta achar quatro, entre sobrinhas e primas. Ficamos na esperança, isso acaba com a gente”, desabafou.

“A gente acaba lembrando também do horror que foi aquilo tudo. Chegar à delegacia para reconhecer os corpos despejados de caminhão. Era mangueira aberta para lavar os corpos, para conseguir reconhecer quem era da família. Passamos por tudo isso”, acrescentou.

Teresópolis - Casa destruída e abandonada no bairro da Granja Florestal (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Casa destruída e abandonada no bairro da Granja Florestal durante a tragédia de 2011Tomaz Silva/Agência Brasil

 

Ela também socorreu o vizinho Rubens Antônio Laureano de Campos, outro à espera de uma casa. Conta que chegou à sua antiga porta, coberto de lama, depois que tudo veio abaixo. “Foi um horror mesmo. Teve muita gente, como da minha família, que não podia nem dar banho, foi enterrado sujo mesmo”, lamentou. Ele perdeu dois filhos e a esposa, esta no galho de um abacateiro.

Sobreviventes querem trocar apartamentos por casas

Rubens vive em um pequeno apartamento com o filho, no centro de Teresópolis, e sente muita falta da antiga casa. Trabalhador rural, ele fica apreensivo quando pensa em morar em apartamento. Mesmo na fila dos imóveis, preferia viver em casa. “Tinha quintal, espaço. Fui lá esses dias, vi meu pé de mexerica. Ficou agora para a natureza lá da mata, né?”

É o mesmo caso de Maria Arlete Ferreira, que deixou Campo Grande um dia depois da tragédia, sem condições de encarar a devastação e a perda de amigos de uma vida. Hoje, ela vive em um sítio próximo, onde se dedica à paixão pelas plantas. “Ela não cuida de uma planta, cuida de todas. Tem até horta, com couve e pimenta”, diz a neta, Iara da Silva Ferreira. “Ela vai ter muita dificuldade de viver em apartamento, não sei se vai conseguir e isso nos preocupa”.

Teresópolis - O líder comunitário Judas Tadeu Florêncio da Cruz que acompanhou a tragédia defende a oferta de casas por meio do programa federal (Tomaz Silva/Agência Brasil)

O líder comunitário Judas Tadeu Florêncio da Cruz acompanhou a tragédia e defende a oferta de casas por meio do programa federalTomaz Silva/Agência Brasil

De acordo com o líder comunitário da localidade conhecida como Vale da Revolta, Judas Tadeu Florêncio da Cruz, que acompanhou a tragédia de perto, a alocação de pessoas em apartamentos, quando a maioria estava acostumada às áreas rurais, não é ideal e pode dar problemas no futuro. Ele defende a oferta de de casas por meio do programa federal.

“A maioria dessas pessoas aqui é agricultora. Como vão colocar em um apartamento onde não dá para plantar, para viver em contato com a natureza? A pessoa fica doente”, disse. A questão foi levada ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.

Memória das vítimas

Em meio à nova paisagem, quase deserta, de um bairro onde viveram cerca de 5 mil pessoas, existe também quem tenha resistido à Defesa Civil. Um dos últimos moradores de Campo Grande, mesmo com a casa condenada, correndo riscos, o pedreiro Amaurino Gonçalves muda-se mês que vem. Ele ficoulá até receber uma indenização por seu sobrado, que considerou justa.

“Os meninos estão trabalhando para recuperar minha casa. O que eu comprei era uma padaria [que fechou depois da enxurrada, em bairro próximo]. Só não vou com meus cinco cachorros e sete filhotes. Vou ter que acabar com eles, quero ficar só com dois, não dá para levar”.

Para marcar os cinco anos da tragédia, familiares e amigos das vítimas de Teresópolis se reúnem no fim da tarde hoje, em frente à Igreja Santa Teresa, para prestar homenagens.

Edição: Graça Adjuto