Você está aqui

Zika: Estados Unidos alertam gestantes a evitar viagens ao Brasil

  • 16/01/2016 12h40publicação
  • Brasílialocalização
Aline Leal - Repórter da Agência Brasil

Mosquito Aedes aegypti

O transmissor do vírus Zika é o mosquito Aedes aegyptiArquivo/Agência Brasil

O Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos emitiu um alerta para que mulheres grávidas evitem viajar ao Brasil e outros países onde há circulação do vírus Zika. A medida considerou os relatos do governo brasileiro de que há risco de as gestantes infectadas pelo vírus virem a ter filhos com microcefalia, uma malformação irreversível no cérebro. O vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

O alerta é direcionado a mulheres em qualquer estágio da gestação. Para as que não podem evitar o deslocamento e as que estão tentando engravidar, a orientação é que consultem um médico e sigam rigorosamente os conselhos sobre como evitar as picadas do mosquito.

Colômbia, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Haiti, Honduras, Martinica, México, Panamá, Paraguai, Porto Rico, Suriname e Venezuela também estão incluídos na recomendação. Segundo a entidade, o alerta pode ser atualizado, caso aumente o número de países com ocorrência da doença.

Aos viajantes de forma geral que forem para as áreas onde o vírus circula, o CDC recomenda cuidados como usar mangas compridas, calças compridas e sapatos fechados, para expor o mínimo de pele e também indica o uso de repelentes. Além disso, a orientação é dormir em quartos com tela ou com ar-condicionado.

Brasil

Em nota, o Ministério da Saúde brasileiro diz que as recomendações do CDC reforçam as medidas já adotadas pelo governo no cuidado especial com as gestantes, como o uso de repelentes e de roupas compridas que minimizem a exposição da pele. A pasta  diz ainda que em qualquer situação as gestantes devem consultar o médico antes de viajar

“Assim como a Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde não recomenda nenhuma medida restritiva de viagem ou comércio internacional, além do cuidado especial com as gestantes, independentemente do vírus Zika”, informa o texto.

Edição: Talita Cavalcante