Você está aqui

Marquês de Sapucaí terá audiodescrição de desfiles para deficientes visuais

  • 20/01/2016 12h23publicação
  • Rio de Janeirolocalização
Flávia Villela - Repórter da Agência Brasil
Rio de Janeiro - Desfile das escolas de samba do Grupo Especial no Sambódromo da Marquês de Sapucaí. Imperatriz Leopoldinense.

Sistema de audiodescrição estará disponível para deficientes visuais nos dias de desfile das Escolas de samba do Grupo Especial no Desfile das CampeãsTania Rego/Agência Brasil

O desfile das escolas de samba no Sambódromo da capital fluminense terá este ano sistema de audiodescrição para deficientes visuais. Na frisa do Setor 13, serão disponibilizados 50 fones de ouvido. Um narrador profissional, que ficará numa cabine, passará os detalhes dos desfiles aos participantes.

O serviço estará disponível em todos os dias de desfile do Grupo de Acesso e do Grupo Especial, entre 5 e 8 de fevereiro, e no Desfile das Campeãs, programado para o dia 13. A secretária municipal da Pessoa com Deficiência, Georgette Vidor, explicou que haverá descrição das alegorias, das fantasias, dos efeitos especiais e movimentos dos componentes das escolas.

“Os deficientes visuais não costumam ir muito [aos desfiles], porque mesmo com uma pessoa do lado falando e com a música não é o mesmo que uma um técnico apresentando um roteiro para o entendimento do que a escola está apresentando”, disse ela, que pretende conversar com vereadores para transformar a iniciativa em projeto de lei. “Assim haverá mais interesse por parte desse público e é o mínimo que podemos fazer para que os direitos das pessoas com deficiência sejam respeitados.”

Georgette adiantou que as fantasias que costumam ser deixadas na passaralela no final do desfile serão levadas por integrantes da secretaria ao Setor 13 para que os cegos possam sentir a textura e os adereços das roupas e máscaras.

Ingressos gratuitos

Foram distribuídos 300 ingressos gratuitos por dia de desfile na frisa do Setor 13 para pessoas com deficiência que se inscreveram na prefeitura.

Deficiente visual há 25 anos, o psicólogo Helio Orrico se inscreveu e conseguiu ingresso para ir ao desfile de domingo (7) do Grupo Especial. Ele já desfilou três vezes na Sapucaí, mas nunca foi ao desfile na plateia devido à pouca acessibilidade.

“Não tinha motivação para assistir exatamente por conta da acessibilidade nesse contexto do que se perde em relação aos acontecimentos durante o desfile. A gente perde muitos detalhes quando escutamos apenas o samba-enredo, detalhes que dão o contexto do desfile”, disse. “Mesmo que minha mulher me ajudasse descrevendo a festa, ficaria preocupado por ela não estar se divertindo. Acho esse serviço da audiodescrição fantástico.”

As entradas valem para os desfiles das Escolas de Samba do Grupo de Acesso e do Grupo Especial e para o Desfile das Campeãs, no sábado. Cada pessoa com deficiência terá direito a um acompanhante.

Edição: Talita Cavalcante