Você está aqui

Pais devem ficar atentos para evitar desidratação infantil durante o verão

  • 24/01/2016 11h15publicação
  • Brasílialocalização
Paula Laboissière - Repórter da Agência Brasil

A combinação de altas temperaturas, típicas do verão brasileiro, com o período de férias escolares e viagens em família pode se transformar em um prato cheio para o aumento de casos de desidratação infantil nesta época do ano. O alerta é da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente do departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da entidade, Tadeu Fernandes, explicou que o quadro de desidratação consiste na perda de água pelo organismo por meio de vômitos, diarreia ou mesmo pelo suor.

“Muitas crianças ficam desidratadas por causa do calor, do excesso de exposição ao sol ou quando não há uma preocupação, por exemplo, em manter o quarto fresquinho. A criança perde calor pela pele, transpirando. Isso acontece principalmente entre crianças pequenas, que não têm boa reposição.”

Segundo o especialista, alimentos mal acondicionados podem atuar como grandes vilões durante o verão, sobretudo em praias, festas e restaurantes. “No verão, se a gente não conserva direito os alimentos, eles estragam mais rápido. Um iogurte comprado no mercado, por exemplo, ao entrar em contato com as altas temperaturas do porta-malas, pode já chegar em casa azedo e, posteriormente, é servido à criança.”

Dicas simples de prevenção, de acordo com o pediatra, incluem evitar pedir gelo para sucos e rodelas de limão ou laranja em refrigerantes. “Onde essas frutas estavam guardadas e há quanto tempo? Será que esse gelo foi feito com água filtrada ou da torneira? A ideia é limitar o risco.”

Também é preciso ficar atento para ofecer água constantemente para as crianças. 

Os sinais de desidratação infantil incluem urina muito concentrada e em menor quantidade, criança mais irritadiça, pele com menos elasticidade e de aparência seca e olhos fundos. Em bebês, é possível perceber ainda a moleira com aspecto afundadO. A orientação é procurar serviço médico sempre quer houver quadro de vômitos e diarreia, para que a situação não se agrave.

“O mais importante, no tratamento, é a terapia de reposição oral com o soro preconizado pela Organização Mundial da Saúde, que pode ser retirado gratuitamente em postos de saúde ou comprado nas farmácias. É, inclusive, mais seguro do que preparar o soro em casa, já que pode haver erros na preparação, como mais sal ou menos sal”, explicou.

“Muitas mãe se enganam utilizando bebidas isotônicas como soro para reidratação. Elas não servem para reposição em casos de diarreia, vômito e desidratação infantil. Outra lenda é o uso da água de coco, que não é a bebida correta para se fazer a reidratação oral. Também não adianta dar água pura para a criança porque o que ela perde é água salgada, com sódio e potássio.”

Edição: Lílian Beraldo