Você está aqui

Escola não foi favorecida por confusão, diz carnavalesco de campeã paulista

  • 09/02/2016 19h52publicação
  • São Paulolocalização
Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil
São Paulo - A escola de samba Império de Casa Verde venceu o Carnaval 2016 em São Paulo. A taça foi conquistada com 269,4 pontos. Este é o terceiro título da escola, que ganhou em 2005 e 2006 (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Império de Casa Verde venceu o carnaval de 2016 em São Paulo com 269,4 pontos. Este é o terceiro título da escola, que ganhou em 2005 e 2006Rovena Rosa/Agência Brasil

Campeã do carnaval 2016 em São Paulo, a Império de Casa Verde ganhou pela força da comunidade, avalia o carnavalesco da escola Jorge Freitas. Em seu primeiro ano à frente da agremiação, ele disse que a energia nas pessoas da escola ajudou a levar ao título e negou que a escolha tenha sido favorecida pela confusão durante a apuração das notas.

“Existe uma comunidade muito forte, que precisava de uma pessoa que os incentivasse, que mostrasse que eles seriam capazes. Eles são campeões. Deus me deu esse dom, e eu fiz com que eles se tornassem campões do carnaval 2016. É uma consagração não só do meu trabalho, mas da comunidade. Isso mostra que todas as escolas tem condição de apresentar grandes carnavais”, declarou.

A apuração do carnaval foi marcada por momentos de tumulto, sendo que a leitura das notas precisou ser interrompida diversas vezes. A confusão começou quando foram divulgadas as notas do quesito evolução. A Império de Casa Verde ficou sem nota de um jurado. Segundo o regulamento, a maior nota recebida no quesito foi atribuída à escola.

 São Paulo - Jurado do quesito Evolução esquece de dar nota e cria confusão na apuração do Carnaval de São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

 Jurado esqueceu-se de dar nota no quesito evolução e criou confusão na apuração do carnaval de São Paulo Rovena Rosa/Agência Brasil

Integrantes das escolas rivais ficaram revoltados por acreditar que houve favorecimento. “O que a gente quer é justiça no carnaval, foi uma injustiça. Eu falo pelo carnaval, não aguentamos mais, somos todos decentes, trabalhamos o ano inteiro. Eu quero o bem do carnaval”, reclamou Marco Bianchini, diretor da Unidos de Vila Maria.

O carnavalesco da Império de Casa Verde discorda. “O jurado não favoreceu. Existe um regulamento que precisa ser cumprido. Independentemente de ter dado a nota ou não, a nota maior é atribuída, isso foi feito”, defendeu-se.

Prisão

Durante o tumulto, um diretor da Unidos de Vila Maria foi detido pela polícia por desobediência. O delegado Osvaldo Nico declarou que chegou a haver agressão a um policial. “O jurado deu nota baixa. Que culpa a polícia tem? Não foi a polícia que escolheu o jurado. Estão perturbando. Ele agrediu o policial, a polícia não vem aqui apanhar”. Após a prisão, a apuração prosseguiu, apesar do clima tenso.

Edição: Wellton Máximo