Você está aqui

Manifestantes encerram ato em Brasília cantando o Hino Nacional

  • 13/03/2016 12h39publicação
  • Brasílialocalização
Heloísa Cristaldo - Repórter da Agência Brasil

manifestacao_em_brasilia.mp4

Com o Hino Nacional cantado em coro, foi encerrada em Brasília a manifestação em apoio ao combate à corrupção e a favor do impeachment da presidenta Dilma Rousseff, realizada na Esplanada dos Ministérios. Ao final do hino, os manifestantes gritaram “Fora, PT”.

Segundo a Polícia Militar, 100 mil pessoas participaram da manifestação. Não houve ocorrência de atos violentos, segundo a PM, apenas registro de extravio de documentos e atendimento de pessoas com mal-estar. O percurso dos manifestantes começou no Museu da República e foi até o Congresso Nacional, em um total de dois quilômetros.

Brasília - Manifestantes vão a Esplanada dos Ministérios contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff (Wilson Dias/Agência Brasil)

Brasília - Manifestantes vão a Esplanada dos Ministérios contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff Wilson Dias/Agência Brasil

Para o estudante Douglas Santana, de 20 anos, o movimento é histórico para o país. “Pedimos fora ao PT porque é perceptível que o país não está estável. Realmente precisa mudar e esse é o partido que está no poder”. Segundo o estudante, o ato deve ser mantido também contra outros políticos, de outros partidos, sob investigação pela Polícia Federal.

Vários manifestantes vestem camisas com a foto do juiz Sérgio Moro e usam adesivos em apoio ao juiz que comanda o processo de julgamento dos crimes relativos à corrupção em contratos da Petrobras, investigados no âmbito da Operação Lava Jato, pela Polícia Federal.

Brasília - Manifestantes vão a Esplanada dos Ministérios contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff (Wilson Dias/Agência Brasil)

Brasília - Manifestantes vão a Esplanada dos Ministérios contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff Wilson Dias/Agência Brasil

Em meio ao povo, estava o senador Álvaro Dias (PV-PR), que não falou aos manifestantes publicamente. Ele, no entanto, conversou individualmente com alguns manifestantes e parou para tirar fotos. Dias migrou do PSDB para o PV no início de janeiro, após vários meses de negociação. Também participou do ato em Brasília o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Vestido com uma camiseta com a frase "Direita Já"!, o parlamentar tirou selfies com o público.

Neste momento, as pessoas estão se dispersando, a maioria em direção à Rodoviária do Plano Piloto, terminal de ônibus na área central de Brasília.

As pessoas começaram a se concentrar perto do Museu da República ainda às 9h. Entre o público, havia várias famílias. A maioria das pessoas estava vestida de camiseta verde e amarela. Em frente ao Congresso Nacional, alguns manifestantes fizeram uma moldura com o próprio corpo para escrever a frase "Fora, Dilma". Em vários momentos, os manifestantes fizeram uma ola em defesa da "limpeza", que defende a saída de políticos corruptos. Nominalmente, eles citaram o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e de Dilma.

Desempregada desde outubro, Roberta Born, de 34 anos, fez parte de vários movimentos que já acamparam no gramado do Congresso, disse acreditar que o Brasil está sofrendo com o governo atual. Para ela, o governo é uma "facção criminosa". Vinda de Porto Alegre, Roberta se considera de direita e afirmou que só volta para sua cidade quando a presidenta Dilma sair da Presidência.

Para o servidor público, da Justiça Federal, Fábio Freitas, de 51 anos, a corrupção começou no país em 1500, desde o descobrimento do Brasil. "Sou um dos milhares de brasileiros indignados com a corrupção", disse. Ele, entretanto, afirmou que a corrupção não é privilégio de apenas um partido. "O Brasil precisa se reinventar. O que se está pedindo não é solução. O necessário seria convocar uma nova Constituinte".

Cerca de 2 mil policiais foram destacados para garantir a segurança nas ruas de Brasília, neste domingo.

Pelo país

Em todo o país, foram programadas manifestações a favor do impeachment da presidenta Dilma em 503 cidades, segundo o movimento Vem pra Rua. Em algumas cidades, a Central Única dos Trabalhadores e movimentos mantiveram a realização de manifestações pró-governo e pró-Lula, tais como Fortaleza, Rio de Janeiro e Porto Alegre. A CUT convocou suas seccionais para uma manifestação a favor da democracia para a próxima sexta-feira, dia 18. No DF, o PT convocou nova manifestação para o dia 31 de março.

Em Brasília, a manifestação do PT anteriormente prevista para ocorrer na Torre de TV, também neste domingo, pela manhã, foi cancelada pelo partido. Em nota, o presidente do PT no Distrito Federal, Roberto Policarpo, informou que a decisão foi tomada na noite de sexta (11), após reunião com integrantes da Secretaria de Segurança Pública. A secretaria havia recomendado ao partido que fizesse o ato em outro local porque havia um ponto de acesso em comum com a manifestação contra o governo, realizada na Esplanada dos Ministérios. A Rodoviária do Plano Piloto, na área central da cidade, dá acesso aos dois locais, embora estejam de lados opostos da avenida que corta a Esplanada, o Eixo Monumental.

Rio de Janeiro - Manifestação em Copacabana contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Rio de Janeiro - Manifestantes se concentraram em Copacabana a favor do impeachment e a favor das das ações de combate à corrupção Tânia Rêgo/Agência Brasil

No Rio, os manifestantes percorreram a Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, conduzidos por três carros de som. Um deles trazia uma faixa com a frase "Fora Comunismo". O porta-voz do movimento dizia que as famílias de direita estava ali contra o PT. Uma multidão ocupou as duas vias da avenida, ao longo de cerca de oito quarteirões. Bandeiras do Brasil e muitos cartazes contra o PT, Dilma e Lula são o principal material utilizado pelos participantes.

Centenas de policiais militares acompanham a marcha que saiu do Posto 5 por volta das 10h, em direção ao Posto 2. Não foram registrados incidentes ou confrontos até o momento. Mais cedo, um avião passou com a faixa "Não vai ter golpe - Frente Brasil Popular" e foi vaiado pelos manifestantes, com gritos de "Fora Dilma" e "Impeachment, Já". Uma grande faixa de apoio ao juiz Sergio Moro, que coordena o processo dos crimes investigados pela Operação Lava Jato, foi carregada por manifestantes com os dizeres em inglês: "We all are Sergio Moro", ou seja, Somos Todos Sergio Moro.

Salvador - Manifestação em Salvador contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff (Sayonara Moreno/Agência Brasil)

Salvador - No Farol da Barra, os manifestantes protestaram contra o governo Dilma Rousseff e contra a corrupção Sayonara Moreno/Agência Brasil

 

Recife - Manifestação no Recife contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff (Sumaia Villela/Agência Brasil)

Recife - Manifestação no Recife contra a corrupção e pela saída da presidenta Dilma Rousseff ocorreu na Praia de Boa ViagemSumaia Villela/Agência Brasil

A dona de casa Elvira Moraes, 63 anos, desaprovou o discurso. "Não sou de direita e não me sinto representada por este senhor. E ainda fica xingando a presidenta. Acho feio. O ato é pela democracia e honestidade e é por isso que estou aqui", opinou Elvira.

Vindo de Nova Iguaçu, o administrador José Maria Sousa, de 52 anos, disse que saiu de casa cedo. "Programamos com antecedência, há mais de um mês. Estar aqui é importante, porque acredito que nossa indignação pode pressionar o governo e as autoridades a acabarem com essa sujeira que tem assolado a política deste país."

O movimento organiza passeatas em outras cidades do estado, com Angra dos reis, Búzios e Cabo Frio, na região dos Lagos, Niterói, na região metropolitana, Nova Friburgo e Petrópolis, na região Serrana.

No Recife, a manifestação ocorre neste momento ainda, na orla da Praia de Boa Viagem e, em Salvador, no Farol da Barra. Dois atos contra o governo Dilma foram programados para Belo Horizonte. De manhã, os manifestantes reuniram-se na Praça da Liberdade e, à tarde, haverá outro na Praça da Estação.

Em Manaus, no Amazonas, a manifestação contra o governo e contra a corrupção está marcada para as 16h na orla da praia da Ponta Negra. Uma carreata em direção ao local deve sair às 15h da Rua Kako Caminha, no cruzamento com a Avenida Constantino Nery, segundo um dos organizadores do protesto, Kléber Romão, coordenador estadual do Movimento Brasil Livre.  De acordo com a Polícia Militar do Amazonas, mais de 400 homens, 12 viaturas e 48 motocicletas vão reforçar o policiamento no local onde a manifestação vai se concentrar.

Apoio

No Rio de Janeiro, uma manifestação em apoio ao governo e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva marcada para as 10h deste domingo, no Parque Madureira, na zona norte do Rio, acabou sendo desmarcada em função do mau tempo, segundo integrantes da Central Única dos Trabalhadores. O ato foi remarcado para as 14h, quando deve ser feita uma panfletagem. Na tarde de hoje, outra manifestação pró-Dilma está prevista para a Praça São Salvador, na zona sul da cidade.

O aposentado e ativista Antônio Carlos da Silva, de 72 anos, foi ao Parque Madureira para participar da manifestação em apoio ao governo. Ele afirma que há questões a serem corrigidas na gestão de Dilma Rousseff, mas disse que devem ser corrigidas pelo povo. "E o Lula não ajudou só o trabalhador. Os empresários ganharam muito dinheiro no governo dele", defendeu o aposentado.

Edição: Lana Cristina