Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Linha Amarela volta a cobrar pedágio, e Câmara do Rio vota encampação

Publicado em 31/10/2019 - 20:37 e atualizado em 31/10/2019 - 20:42

Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil Rio de Janeiro

O pedágio voltará a ser cobrado na Linha Amarela, a partir desta sexta-feira (1º), com a restauração das cabines e dos demais equipamentos danificados por agentes da prefeitura na madrugada do último dia 27. No mesmo dia, porém, a Câmara Municipal vota projeto de encampação da via, hoje operada pelo consórcio Lamsa. O projeto foi proposto pelo prefeito Marcelo Crivella.

O ponto central da discórdia é o lucro auferido pela empresa, acima do estabelecido em contrato, que, segundo a prefeitura, é de R$ 1,6 bilhão e, segundo o Tribunal de Contas do Município (TCM), de R$ 480 milhões, o que se reflete no preço da tarifa de pedágio, de R$ 7,50 em cada sentido da via, que liga a Barra da Tijuca ao centro e ao Aeroporto Internacional do Galeão.

O presidente da Câmara de Vereadores, Jorge Felippe (MDB), disse acreditar que o projeto de lei complementar seja aprovado – é necessária a maioria absoluta, com o voto de pelo menos 26 dos 51 parlamentares.

“A Controladora-Geral [do município] falou que o custo que eles apuraram foi de R$ 2,06 para que se tenha condição de manutenção da Linha Amarela como se tem hoje. A cobrança está muito elevada. Em uma comparação com a Ponte Rio-Niterói, você paga R$ 4,30 em um único sentido, e o custeio e a manutenção da ponte é muito mais caro que o da Linha Amarela”, afirmou Jorge Felippe.

Como se trata de um projeto de lei da Câmara (PLC), há necessidade de uma segunda votação, com intervalo de 48 horas, o que deverá acontecer na próxima segunda-feira (4). A Linha Amarela foi inaugurada em 1997 e tem 17,4 quilômetros de extensão.

Sobre a votação de encampação na Câmara, a Lamsa, uma empresa do grupo Invepar, divulgou nota dizendo que acompanhará a tramitação do projeto de lei apresentado à Câmara dos Vereadores para verificar se todos os preceitos legais serão cumpridos. "Somente então a concessionária poderá se posicionar a respeito do tema”, diz o texto divulgado pela empresa.

O texto foi alterado à 20h42

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias