Você está aqui

Universidade em Santa Catarina oferece vagas gratuitas para haitianos

  • 12/01/2015 10h25publicação
  • Chapecó (Santa Catarina)localização
Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil
Chapecó (SC) - Estudantes haitianos durante aula do curso de letras na Universidade Federal da Fronteira Sul

Chapecó (SC) - Haitianos têm oportunidade de estudo na Universidade Federal da Fronteira SulMarcelo Camargo/Agência Brasil

O sonho de muitos imigrantes haitianos de frequentar cursos de nível superior, algo muito difícil no país de origem, transformou-se em realidade para os primeiros estudantes selecionados num processo especialmente formulado para recebê-los. A iniciativa é da Univerdidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), presente nos três estados do Sul – Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul –, no município catarinense de Chapecó.

Por meio do programa ProHaiti, 39 alunos foram selecionados em 2014 para 12 cursos. Segundo o vice-reitor da universidade, Antonio Inácio Andreoli, havia mais vagas, mas muitos inscritos não tinham como comprovar, com documentação, o término do ensino médio no Haiti. Ele explicou que o acolhimento aos haitianos faz parte da própria filosofia de criação da UFFS, de inclusão social.

“A universidade foi construída pelos movimentos sociais da região. E trouxe, desde o início, uma proposta de inclusão que é colocar 90% de suas vagas para estudantes de escolas públicas. Além disso, aderimos a todas as políticas de cotas. Para nós, isso representava o desafio de integrar outros grupos sociais, como os haitianos. Em conversa com a Embaixada do Haiti criamos um processo seletivo especial. Também abrimos vagas para os haitianos em pós-graduação", disse Inácio Andreoli.

Chapecó (SC) - Estudantes haitianos durante aula do curso de letras na Universidade Federal da Fronteira Sul

Chapecó (SC) - Jean Joseph Dor assiste às aulas de letras na Universidade Federal da Fronteira SulMarcelo Camargo/Agência Brasil

A inclusão dos imigrantes à sociedade brasileira, principalmente no Sul, é um dos pontos de interesse da pesquisadora da UFFS Sandra Bordignon. Segundo ela, a chegada dessa população tem um forte componente de interesse econômico, especialmente dos frigoríficos da região que enfrentam dificuldade em atrair mão de obra dos moradores locais. “A demanda por trabalho é bem grande aqui. Não existe mais mão de obra, em função do êxodo rural, da maior escolarização e da melhor qualificação. Aí as pessoas não estão mais se sujeitando a trabalhar nos frigoríficos. A gente tem um percentual de 3,5% a mais de vagas de emprego sobrando.”

Veja o especial completo da Agênica Brasil sobre o Haiti.

Mas, se pelo ponto de vista econômico os haitianos são bem vistos, quando a questão é social a situação muda de figura, de acordo com ela. “A xenofobia existe. É velada. Mas a gente percebe. Ela vem em função da pele. Quando as pessoas conhecem eles, isso vai se amenizando. Porém, em um primeiro momento, as pessoas discriminam realmente”, declarou Sandra.

Um dos estudantes selecionados foi Jean Joseph Dor, que cursa letras. Antes de chegar ao Brasil, morou por um tempo no Chile. “Meu sonho sempre foi conhecer o Brasil. Além do futebol, que nos encanta, a economia está boa. Também tem mais chances de estudar de graça, o que eu não tinha lá.”

Outras informações sobre a UFFS podem ser obtidas na página da universidade na internet.

Edição: Marcos Chagas