Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

Países do Leste europeu, Dinamarca e Finlândia recusam sistema de cotas

Publicado em 11/09/2015 - 11:15

Por Da Agência Lusa Praga

 

Imigração - Refugiados que atravessaram a Hungria e Áustria se alojam em centro na Alemanha

Hungria, Polônia, República Tcheca e Eslováquia recusam cotas para receber refugiados EPA/Sven Hoppe/Agência Brasil/Direitos Reservados

Os países do grupo de Visegrado - Hungria, Polônia, República Tcheca e Eslováquia - recusaram as cotas de migrantes propostas pela União Europeia (UE), disse hoje (11), em Praga, o chefe da diplomacia tcheca, Lubomir Zaoralek.

Os países que vão receber os migrantes "devem ter o controle sobre o número de refugiados que estão dispostos a aceitar e em seguida oferecer-lhes apoio", disse Zaoralek à imprensa, ao final de um encontro com chanceleres do grupo de Visegrado e o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier.

Após adesão à UE em 2004, com o apoio declarado de Berlim, os quatro países desafiam hoje a chanceler alemã, Angela Merkel, que pretende implantar uma política de cotas de refugiados em nome dos princípios fundadores do bloco europeu.

"Se concordamos na descrição da situação [...], devíamos estar unidos sobre o fato de que um tal desafio não pode ser gerido por um único país. Precisamos de solidariedade europeia", disse Steinmeier, ao final da reunião sobre a crise migratória, que definiu como "talvez o maior desafio da história da UE".

A Dinamarca também anunciou que recusa participar de um sistema de repartição centralizada de refugiados entre países-membros da UE, como propõe Bruxelas.

"Não estaremos incluídos na repartição dos 160 mil refugiados", declarou a ministra da Integração, Inger Stojberg, à agência de notícias dinamarquesa Ritzau.

Como o Reino Unido e a Irlanda, a Dinamarca pode deixar a política de asilo da UE. "Penso que é preciso ver que já há uma repartição informal dos solicitantes de asilo na Europa" e a Dinamarca já está em um patamar "muito alto", acrescentou a ministra.

A Dinamarca recebeu cerca de 15 mil pedidos de asilo em 2014. Em relação ao tamanho da população, foi o quinto país da UE a receber mais pedidos, superando a Alemanha, de acordo com o Eurostat.

O governo da Finlândia anunciou estar disposto a receber um total de 2.400 refugiados, como pedido pela Comissão Europeia, mas destacou que é contra a proposta de Bruxelas de um sistema de repartição de refugiados, com base em cotas obrigatórias.

Em conferência de imprensa, o ministro do Interior finlandês, Petteri Orpo, explicou que o país acolherá os refugiados vindos do sul da Europa para ajudar na atual crise, mas esta é uma "decisão voluntária".
"A situação é tão grave atualmente que devemos participar e assim o faremos", afirmou.

"Não apoiamos a proposta da CE [Comissão Europeia] de criação de um sistema obrigatório e permanente [...] por uma simples razão, e é que antes devemos ter a certeza de que as medidas comunitárias para melhorar a situação nos países de origem [dos refugiados] está  funcionando", disse.

As propostas apresentadas na quarta-feira pela CE vão ser debatidas no conselho extraordinário de ministros do Interior e da Justiça, na próxima segunda-feira, em Bruxelas.

Edição: Carolina Pimentel

Últimas