Você está aqui

Izabella Teixeira fica no Ministério do Meio Ambiente

  • 31/12/2014 13h10publicação
  • Brasílialocalização
Helena Martins - Repórter da Agência Brasil

A ministra Izabella Teixeira, que coordena as ações do Ministério do Meio Ambiente desde 2010, continuará como ministra da pasta. O anúncio foi feito há pouco, por meio de nota da Secretaria de Imprensa da Presidência da República.

Izabella Teixeira, de 53 anos, é formada em biologia pela Universidade de Brasília, cidade onde nasceu. Ela também é mestra em planejamento energético, doutora em planejamento ambiental pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora universitária.

Izabella Teixeira

Izabella Teixeira é mantida no cargo no segundo mandato de Dilma RousseffElza Fiuza/Arquivo/Agência Brasil

Em seu currículo, destaca atuação nas áreas de avaliação ambiental estratégica, exploração e produção de petróleo, gás natural e planejamento. Além disso, afirma, em seu currículo, ter perfil gerencial e executivo com experiência internacional.

Funcionária de carreira do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Izabella foi subsecretária da Secretaria do Ambiente do Estado do Rio de Janeiro, de 2007 para 2008, e secretária executiva do Ministério do Meio Ambiente de 2008 a 2010, durante a gestão de Carlos Minc.

Durante sua gestão no ministério, ocorreu a aprovação do Novo Código Florestal e a construção da Usina de Belo Monte, ações que foram duramente criticadas por organizações ambientalistas. Por outro lado, o país registrou as menores taxas de desmatamento da Amazônia Legal.

Na sua gestão no ministério, também foi organizada a Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que terminou com carta considerada avançada em relação à proteção da biodiversidade, mas com recuo do ponto de vista do comprometimento de recursos dos países mais ricos para o desenvolvimento de ações.

As discussões sobre a responsabilização desses países e o papel do Brasil em relação à proteção ambiental devem estar na agenda do ministério no ano que vem, quando ocorrerá a 21ª Conferência do Clima (COP 21), em Paris. No encontro, será debatido um novo acordo global climático, que substituirá o Protocolo de Quioto, a partir de 2020.

Edição: Aécio Amado