Você está aqui

Outubro Rosa ilumina prédios públicos de Brasília

  • 01/10/2014 23h14publicação
  • Brasílialocalização
Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil

O Palácio do Planalto é um dos monumentos de Brasília iluminados de rosa para a campanha Outubro Rosa, de conscientização sobre a importância da detecção precoce do câncer de mama (Valter Campanato/Agência Brasil)

O Palácio do Planalto é um dos monumentos de Brasília iluminados de rosa para a campanha Outubro Rosa, de conscientização sobre a importância da detecção precoce do câncer de mama (Valter Campanato/Agência Brasil)Valter Campanato/Agência Brasil

A partir de hoje (1º), até o último dia do mês, várias cidades do mundo vão ressaltar a cor rosa. Os principais monumentos é prédios conhecidos estão iluminados com a cor que representa a luta contra o câncer de mama. Em Brasília, uma cerimônia oficial marcou o início da campanha "Outubro Rosa". 

"Ao ver a cidade iluminada de rosa, mesmo que a pessoa não saiba o que é, vai querer saber", disse a ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. "Por mais que tenhamos feito, ainda temos o que fazer, temos que tornar o atendimento e as ações do SUS [Sistema Único de Saúde] cada vez melhores e com mais qualidade". 

O câncer da mama é o que mais atinge mulheres em todo o mundo. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Brasil, em 2014, são esperados 57.120 casos novos de câncer de mama, com um risco estimado de 56,09 casos a cada 100 mil mulheres. Apesar de mais raro, o câncer de mama também acomete homens.  

Quando diagnosticado cedo, a chance de cura chega a 95%. "Tem que ter autocuidado, tem que conhecer a mama, conhecer o próprio corpo, ir uma vez por ano ao ginecologista, fazer também o exame clínico da mama, ter hábitos saudáveis. São atitudes que não evitam, mas diminuem as chances", disse a presidenta da organização não governamental (ONG) Recomeçar, Joana Jeker. 

Joana foi diagnosticada com câncer de mama aos 30 anos, em 2007. Ela sentiu a presença do nódulo no banho, enquanto fazia o autoexame. "De repente você perde a sua mama, perde o seu cabelo, pode perder a sua vida. É tudo muito difícil para a mulher", disse. "Mas a gente tem que ter a perspectiva que é uma fase, que vai passar. É sofredor, a mulher fica abalada, mas tem que ter fé, não pode desistir", completou. 

No Outubro Rosa, a ONG lança a exposição Recomeço, de mulheres mastectomizadas. Nas fotos, elas aparecem sorrindo, com a mama reconstruída e com cabelo, mostrando que venceram a doença. A mostra é itinerante e deve passar por vários pontos turísticos da cidade e por hospitais. Cada uma das fotos é acompanhada por um depoimento pessoal sobre a luta contra a doença. 

Lourdes Capitulino é uma das mulheres que participaram do ensaio. Ela foi diagnosticada em 2004, com 42 anos. "É um baque", resume a sensação ao saber da doença. Ela disse que se hoje "está difícil, [o atendimento médico] era pior há dez anos". Sem condições de pagar o tratamento, ela ficou sete anos usando uma prótese no lugar da mama, só então foi atendida e fez a reconstrução pelo SUS. "O que levantou a minha autoestima foi a reconstrução mamária. Antes eu não conseguia me olhar no espelho". 

Os depoimentos são diversos e várias as formas de enfrentar a doença. Cristiane Bitencourt foi diagnosticada em 2012, aos 30 anos, quando faltavam três meses para o casamento. "Fiz seis sessões de quimioterapia. Fiquei careca. Não usei lenço, mostrei a minha careca para mostrar que eu estava enfrentando um câncer. Tirar a mama não me deixou menos mulher. Hoje eu me sinto mais mulher", disse.

A campanha "Outubro Rosa" ocorre em Brasília desde 2008. Tanto o governo federal como o distrital aderiram ao movimento. Estão iluminados na tonalidade rosa os prédios do Congresso Nacional, Palácio do Planalto, Supremo Tribunal Federal, Biblioteca Nacional, entre outros.

Durante este mês, estão previstas palestras e outras atividades. A programação completa está disponível na internet: http://www.spm.gov.br/noticias/documentos-1/outubro-rosa-2014

Edição: Aécio Amado