Você está aqui

SP: com dez vezes mais água que Cantareira, Billings pode ser alternativa

  • 20/01/2015 16h27publicação
  • São Paulolocalização
Camila Maciel - Repórter da Agência Brasil

Sistema Cantareira

Com sucessivas quedas e sem chuvas, o Sistema Cantareira ameaça secar até o início de junho Divulgação/Sabesp

Com dez vezes mais água armazenada do que o Sistema Cantareira, a Represa Billings deve ser usada para abastecer parte da população que enfrenta a crise hídrica em São Paulo, conforme informou a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). A solução, no entanto, não resolve o problema emergencialmente, pois só ficará pronta em 2018.

A obra do governo estadual interligará o Rio Pequeno ao Sistema Rio Grande, ambos braços da Billings. Isto permitirá a entrada de 2,2 metros cúbicos de água por segundo (m³/s), atendendo a áreas que dependiam do Cantareira, que chegou hoje (20) a 5,6% da capacidade.

A Billings tem sido apontada por organizações não governamentais como alternativa para o abastecimento da Grande São Paulo. Atualmente, a maior parte do manancial é dedicada à geração de energia elétrica, por meio da Usina Henry Borden, em Cubatão. Com capacidade de armazenamento de 995 milhões m3, a represa está com 57,47%, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Embora tenha capacidade similar (982 milhões m³), o Cantareira registra quedas sucessivas e ameaça secar. Projeções do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden) revelam que, caso não chova, isso pode ocorrer no início de junho.

“O projeto de interligação do Rio Pequeno com o Rio Grande é antigo. É muito bem-vindo que ele finalmente venha a ocorrer”, disse a coordenadora da Aliança pelas Águas, Marussia Whately. Formado em 2014, o grupo conta com mais de 20 entidades da sociedade civil e busca soluções para a crise hídrica em São Paulo.

Marussia lamenta que medidas como essa estejam sendo adotadas somente em casos extremos. “Não era priorizada, assim como várias outras obras”, disse ela. A Sabesp informou que, atualmente, capta água da Billings para o Rio Grande e para Taquacetuba, somando 7,69 m³/s, volume que atende a aproximadamente 2,3 milhões de pessoas.

Ela alertou para necessidade de rever o uso da Billings, que daria mais segurança hídrica, além de ajudar a construir um modelo mais sustentável de abastecimento. “Avançar no uso da Billings como um manancial de abastecimento seria uma solução mais sustentável de cuidado com a água. Vamos recuperar uma represa que já existe, usar uma fonte de água ao lado da cidade e não gastar bilhões para construir novas represas em locais distantes e que, não necessariamente, trarão os mesmos resultados no tempo que precisamos.”

Como primeira mudança para permiir o uso da Billings para abastecimento, Marussia sugere que a água do Rio Pinheiro deixe de ser bombeada para a represa. “[Acabar com o bombeamento] não é coisa simples, porque precisaria estar integrado com a questão da drenagem e das enchentes, mas não é impossível". Segundo ela, a represa tem características que facilitam sua recuperação, como a grande extensão (106,6 quilômetros quadrados) e o formato em curvas.

Para integrantes do grupo Aliança pela Água, a prioridade deve ser a formulação de um plano de contingência articulado entre a sociedade e os governos federal, estadual e municipal. “Que ele esteja baseado nos diferentes cenários para 2015. Se as chuvas não forem suficientes? Quanto tempo temos de água? O que ocorreriá depois que a água acabar? O que podemos fazer para reduzir o consumo e termos mais tempo de água? Um plano. Esta é a principal reivindicação neste momento.”

Edição: Armando Cardoso