Você está aqui

Casa montada em praça de Fortaleza mostra como combater o mosquito

  • 13/02/2016 16h13publicação
  • Fortalezalocalização
Edwirges Nogueira – Repórter da Agência Brasil
Casa modelo no combate ao mosquito em Fortaleza

Casa modelo na Praça do Ferreira, em FortalezaCarlos Gibaja/Divulgação

Após o toque da sirene no 23º Batalhão de Caçadores, em Fortaleza, militares do Exército, Marinha e Aeronáutica embarcaram em caminhões e, junto com agentes de endemias e outros profissionais, saíram às ruas para iniciar hoje (13) a mobilização do Dia Nacional de Mobilização contra o Mosquito ao Aedes Aegypti.

Acompanhados do governador do estado, Camilo Santana, do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, e do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, eles panfletaram no Centro da capital e conversaram com as pessoas sobre a urgência de prevenir e combater o aparecimento de focos do mosquito que transmite a dengue, a chikungunya e o Zica vírus.

“Hoje começa uma nova etapa, que úne os governos federal, estadual e municipal e as Forças Armadas, mas esse trabalho só pode ser efetivado com o apoio de cada cidadão. A guerra contra o mosquito é uma guerrilha, pois esse inimigo é pouco visível. Temos que ir nas trincheiras dele. Nós, brasileiros, iniciamos um novo momento e só sairemos quando a saúde tiver vitória”, disse o ministro, na abertura dos trabalhos.

Segundo a secretária da Saúde de Fortaleza, Socorro Martins, apesar de não ser um dos bairros com grande concentração de focos do mosquito, o Centro de Fortaleza foi considerado um ponto estratégico para o dia D. “Aos sábados, o Centro tem um grande movimento de pessoas. Isso dá à mobilização maior impacto e visibilidade.”

Um dos espaços mais visitados, a Praça do Ferreira foi escolhida para receber uma casa modelo, onde estão expostas situações em que o Aedes aegypti pode se reproduzir. De um lado, estão garrafas abertas, pneus descobertos e latas de lixo sem tampa. Do outro, o exemplo de como manter esses itens: garrafas de cabeça para baixo, pneus cobertos e latas de lixo devidamente tampadas.

A técnica em turismo Adriana Freitas e o filho Tiago, de 8 anos, visitaram a casa. Com atenção, ela passeou pelo cenário mostrando ao pequeno os exemplos. “Já faz tempo, desde as primeiras campanhas, que a gente mantém esses cuidados lá em casa. Agora intensificamos a partir das novas doenças que apareceram.” Tiago também está bastante atento para a necessidade de manter a casa livre do mosquito. “A gente já fez um trabalho na escola sobre a dengue. Eu ajudo minha mãe e meu avô também limpa a garagem dele, quando chove. Tem que ter muita responsabilidade.”

Além de Fortaleza, outras cidades cearenses fazem mobilizações pelo Dia Nacional de Combate ao Aedes aegypti. O ministro Carlos Higino Alencar, da Controladoria-Geral da União, está no Crato, no Cariri; e o ministro das Comunicações, André Figueiredo, participa do dia de mobilização em São Gonçalo do Amarante, na Região Metropolitana. Lá, as atividades são promovidas pelo ministério em conjunto com os Correios, Governo do Estado e Prefeitura.

Em Crateús, no Sertão dos Inhamuns, as atividades são comandadas pela vice-governadora Izolda Cela e pelo comandante do 40º Batalhão, coronel Dartagnan Ferreira. O reitor da Universidade Federal do Ceará, Henry Campos, coordena as atividades em Iguatu, no Centro Sul cearense. Já as visitas dos militares das Forças Armadas ocorrem em hoje em dezessete cidades.

Segundo o último boletim epidemiológico da dengue, publicado ontem (12), o Ceará registrou 992 casos prováveis de dengue. Desses, 280 foram confirmados. O boletim da febre chikungunya, também divulgado ontem, aponta 4 casos confirmados. O estado também investiga 254 casos suspeitos de microcefalia. Até o último dia 5, houve a confirmação da doença em 11 bebês, sendo que 8 morreram. Desses casos confirmados, apenas 1 teve diagnóstico de Zika.

Edição: Maria Claudia