Você está aqui

Estado Islâmico diz ter decapitado outro jornalista americano

  • 02/09/2014 18h06publicação
  • Atlanta (EUA)localização
Leandra Felipe - Correspondente da Agência Brasil/EBC*

O Estado Islâmico (EI) - grupo radical mulçumano - divulgou hoje (2), por meio de um vídeo publicado na internet, imagens com a suposta decapitação do jornalista americano, Steven Sotloff, 31 anos. Sotloff era refém do grupo há um ano.

Se a informação for confirmada, Sotloff terá sido o segundo jornalista americano decapitado pelo grupo em menos de um mês. Em agosto, o também jornalista americano James Foley foi decapitado por um integrante do Estado Islâmico. O grupo divulgou um vídeo em que exibiu a decapitação.

Sotloff havia desaparecido na Síria em agosto de 2013 e apareceu no final do vídeo em que Foley foi decapitado. No final do material, o grupo ameaçou decapitá-lo do mesmo modo que o primeiro jornalista, caso os Estados Unidos não "parassem" os ataques aéreos na região em que o Estado Islâmico atua no Iraque.

No vídeo divulgado hoje, Sotloff aparece de joelhos ao lado de um militante do Estado Islâmico encapuzado e com uma faca na mão, em imagem similar à de Forley. O material não divulga a decapitação, mas o integrante dá a entender que o executaria em seguida.

O encapuzado também ameaça matar um terceiro sequestrado, pedindo que os governos estrangeiros não "se aliem" com os Estados Unidos contra a organização mulçumana.

"Estou de volta, Obama, e estou de volta por causa de sua política arrogante com o Estado Islâmico [...] apesar de nossos alertas", diz o suposto integrante do EI. E acrescenta: "Esta é uma oportunidade de alertar aqueles governos que entrarem nesta aliança maligna da América contra o Estado Islâmico para não interferirem e deixarem o nosso povo em paz."

No vídeo anterior, em que aparece a decapitação de Foley, o grupo já explicava que a medida havia sido tomada como forma de  'retaliação' ao governo dos Estados Unidos, após bombardeios do Exército americano no Norte do Iraque.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, disse que autoridades americanas ainda estão investigando o vídeo para confirmar a autenticidade do material.

"O vídeo precisa ser analisado com muito cuidado pelo governo americano e nossos oficiais de inteligência para garantir sua autenticidade", afirmou.

Antes do desaparecimento, Sotloff trabalhou como jornalista independente (freelancer) para diversas publicações americanas. Ele trabalhou em vários países islâmicos, tais como o Egito, a Líbia e a Síria.

Os jornais americanos falam da suposta execução e analisam que - as condições exibidas pelo vídeo - são semelhantes às veiculadas sobre a execução de Foley.

Com informações da Agência Lusa

Edição: Carolina Pimentel