Digite sua busca e aperte enter

Compartilhar:

ONU pede mais diálogo e respeito aos direitos humanos na Catalunha

Violência durante o referendo desse domingo (1º) deixou quase 900

Publicado em 02/10/2017 - 11:54

Por Marieta Cazarré - Correspondente da Agência Brasil Lisboa

O Alto-Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra ad al-Hussein

Alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid al-HusseinSalvatore di Nolfi/EPA/Agência Lusa/Arquivo

O alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, afirmou hoje (2), em Genebra, Suíça, estar muito perturbado pela violência observada durante o referendo de ontem na Catalunha.

“Com centenas de pessoas feridas, exorto as autoridades espanholas a assegurar investigações completas, independentes e imparciais de todos os atos de violência. As respostas da polícia devem, em todos os momentos, ser proporcionais e necessárias. Acredito firmemente que a situação atual deve ser resolvida através do diálogo político, com pleno respeito às liberdades democráticas. Exorto o governo da Espanha a aceitar sem demora os pedidos de especialistas relevantes dos direitos humanos da ONU”, disse ele.

Pouco mais de dois milhões de pessoas votaram ontem a favor de que a Catalunha se torne um estado independente da Espanha. A Catalunha tem, no total, 7,5 milhões de habitantes. Segundo o governo catalão, 90% dos eleitores votaram "sim" pela independência da região e 7,8% votaram "não".

Independência

Após a divulgação dos resultados, o governo catalão afirma que vai começar o processo de independência nos próximos dias, enquanto o governo espanhol declara que o referendo foi ilegal e não será levado em conta.

A Generalitat (governo catalão) pediu hoje a saída da Polícia Nacional e da Guarda Civil espanhola do território da Catalunha. Para amanhã, há previsão de uma greve geral na região, em protesto pela violência que deixou quase 900 feridos, segundo a Generalitat.

“Brutalidade, repressão brutal e abusiva e grave violência policial” foram algumas expressões usadas hoje pelo chefe do governo catalão,  Carles Puigdemont, ao afirmar que os catalães “ganharam o direito a serem escutados, respeitados e reconhecidos” pela União Europeia, que “não pode continuar olhando para o outro lado”.

Puigdemont disse ainda que os cidadãos da Catalunha ganharam o direito de ter um Estado independente que se constitua em forma de República.

O artigo 4.4 da Lei de Transitoriedade aprovada pelo Parlamento catalão e que permitia a realização do referendo afirma que dentro de dois dias após a divulgação dos resultados o Legislativo catalão celebrará uma sessão ordinária para efetuar a declaração formal da independência da Catalunha. Essa norma contudo foi suspensa pelo Tribunal Constitucional espanhol.

 

Edição: Augusto Queiroz

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Últimas notícias