Você está aqui

PT repudia declarações de ex-diretor da Petrobras; PMDB e PP não se manifestam

  • 09/10/2014 21h06publicação
  • Brasílialocalização
Iolando Lourenço - Repórter da Agência Brasil

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, divulgou nota em que repudia as declarações do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa em depoimento à Justiça Federal. Na nota, Rui Falcão diz que repudia com “veemência e indignação” as declarações do ex-diretor e as chama de “caluniosas”.  Em depoimento à Justiça Federal, o ex-diretor disse que PP, PT e PMDB eram beneficiados com recursos de contratos superfaturados da estatal.

“O PT desmente a totalidade das ilações de que o partido teria recebido repasses financeiros originados de contratos com a Petrobras. Todas as doações para o Partido dos Trabalhadores seguem as normas legais e são registradas na Justiça Eleitoral”, diz a nota, assinada por Rui Falcão. A direção do PT, diz a nota, "estranha a repetição de vazamentos de depoimentos no Judiciário, tanto mais quando se trata de acusações sem provas”.

Em outra nota, a Secretaria Nacional de Finanças do PT diz que o secretário João Vaccari Neto nunca tratou sobre contribuições financeiras do partido ou de qualquer outro assunto com o ex-diretor da estatal. A secretaria afirma que o depoimento de Paulo Roberto está cheio de “afirmações distorcidas e mentirosas”.  De acordo com o partido, as contribuições financeiras recebidas “são transparentes e realizadas sempre de acordo com a legislação em vigor”.

O secretário João Vaccari diz, no documento distribuído à imprensa, que diante de “acusações infundadas”, irá processar civil e criminalmente aqueles que “têm investido contra sua honra e reputação”.  Enquanto isso, Rui Falcão diz que a direção nacional do PT, por meio dos seus advogados, analisa a adoção de medidas judiciais cabíveis.

O PMDB, que também foi apontado pelo ex-diretor da Petrobras de receber parte do valor dos contratos da estatal, informou, por meio da assessoria de imprensa, que não irá se manifestar, uma vez que não teve acesso aos autos e ao depoimento de Paulo Roberto Costa.

O PP, também citado pelo ex-diretor, informou em nota que desconhece as denúncias. “O Partido Progressista desconhece as denúncias, mas está à disposição para colaborar com todas as investigações”.

Edição: Carolina Pimentel