Você está aqui

Dilma diz a governadores que o povo está sofrendo e muita coisa precisa melhorar

  • 30/07/2015 18h26publicação
  • Brasílialocalização
Marcelo Brandão e Paulo Victor Chagas - Repórteres da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (30) que o Brasil passou a exigir muito dos governos e dos serviços públicos. "Nosso povo está sofrendo, e muita coisa tem de melhorar”, disse ela, durante reunião com governadores no Palácio da Alvorada. Dilma acrescentou que “nenhum governante pode se acomodar”.

“Este Brasil passou a exigir muito dos governos, das empresas, dos hospitais, das escolas, da política, da justiça e de si mesmo. Neste novo Brasil, nenhum governante pode se acomodar. Muita coisa sabemos que precisa melhorar, principalmente porque sabemos que nosso povo está sofrendo e, quando sabemos isso, muita coisa tem que melhorar”, afirmou a presidenta.

Dilma ainda enfatizou que diferenças políticas não podem se sobrepor aos interesses do país e que a cooperação entre os governos é uma obrigação constitucional.

“Nós devemos cooperar cada vez mais, independentemente de nossas afinidades políticas. A cooperação federativa é uma exigência constitucional, é uma exigência da forma como nós organizamos o Estado e a sociedade brasileira. Nós também devemos respeitar a democracia e somar forças e trabalhar para melhor atender a população”, acrescentou a presidenta.

O encontro foi organizado também para que Dilma pudesse ouvir as demandas dos governadores. Ao terminar o discurso inicial, ela anunciou que alguns ministros fariam exposições sobre assuntos como segurança pública e matérias de impacto financeiro no Congresso Nacional, mas disse que a palavra seria passada em seguida aos chefes dos Executivos estaduais.

“Nós temos humildade para receber críticas e sugestões e temos todo interesse na cooperação. Eu queria dizer aos senhores que eu, pessoalmente, sei suportar pressão e até injustiça. Isso é algo que qualquer governante tem que se capacitar e saber que faz parte de sua atuação”, afirmou, antes de declarar que conta com os governadores e que eles podem contar com ela.

Dilma disse que tem o “ouvido aberto, e também o coração”, para saber que o Brasil se desenvolveu e “não se acomoda”. “É aquele Brasil que não se satisfaz com pouco, que sempre quer mais. É esse o Brasil que nós queremos cada vez mais, desenvolvido, crescendo cada vez mais”, afirmou.

Participam do encontro em Brasília os governadores e uma vice-governadora de todos os estados brasileiros e do Distrito Federal. Além de Dilma e do vice-presidente Michel Temer, pelo menos dez ministros do governo estão presentes.

Os governadores começaram a chegar no Palácio da Alvorada por volta de 16h. Em seguida, a presidenta, junto com uma equipe de ministros, sentou-se à mesa da reunião e fez o discurso de abertura. Estão presentes, entre outros ministros, o da Fazenda, Joaquim Levy, o da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o do Planejamento, Nelson Barbosa, além de Cardozo.

Pela primeira vez em seu segundo mandato, Dilma se reúne com os governadores de todas as regiões do país. Com exceção do governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), representado pela vice-governadora Rose Modesto, os demais chefes dos Executivos estaduais e do Distrito Federal estão presentes no encontro.

Entre os temas em pauta no Palácio da Alvorada, destaca-se a reforma do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), pois uma proposta sobre o tema está para ser votada no Senado, assim que terminar o recesso, na próxima semana.

Edição: Jorge Wamburg