Negras lutam por visibilidade e igualdade no cinema

Publicado em 24/07/2015 - 10:16 Por Ana Lúcia Caldas - Brasília

Vinte e cinco de julho é o Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha. Para marcar a data está sendo realizado em Brasília o Festival Latinidades, que neste ano tem como tema o Cinema Negro.

 

A coordenadora de ações formativas, Bruna Pereira, diz que a idéia é valorizar a produção cultural negra.

 

Sonora: ”Até para desvincular a imagem do homem e da mulher negra da escravidão e do sofrimento. Então a gente procura dar visibilidade para produção cultural, inclusive como forma de combate ao racismo.”

 

Segundo o estudo "A Cara do Cinema Nacional", as negras apareceram em menos de dois a cada dez longas-metragens entre os anos de 2002 e 2012. No mesmo período nenhum dos filmes nacionais de maior bilheteria teve uma mulher negra na direção ou como roteirista. Atrizes negras e pardas são apenas 4,4% do elenco principal.

 

A pesquisa foi produzida pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro. A pesquisadora Verônica Toste comenta o estudo.

 

Sonora: "Muito embora a gente tenha a impressão que as mulheres negras estão adentrando esses espaços, quando a gente vê isso a partir de uma série histórica, pelo menos a última década, a gente vê que houve flutuações muito tímidas em torno dos mesmos percentuais."

 

A doutora em cinema e professora da Universidade Federal de Goiás, Rosa Maria Berardo, a mulher negra no cinema representa uma demonstração da própria história.

 

Sonora:  “A mulher negra no cinema ela vem se representar uma a partir dessa tomada de consciência, a partir dessa luta importante que nós temos no Brasil dos grupos que trabalham a cultura afro, e as mulheres começam a poder contar sua própria história.”

 

A cineasta Larissae Fulana de Tal dirige o curta-metragem Cinzas. Ela é realizadora no coletivo de cineastas negros Tela Preta e fala das dificuldades.

 

Sonora:  “ Você assumir o lugar de direção também lhe dá uma nova problemática porque parece que ali não é o seu lugar. Tem uma fala de Racionais que serve muito para a mulher negra: "preto tem que provar que é duas vezes melhor". Isso é uma cobrança muito grande. Por que tem que provar? Eu sinto isso muito dentro do processo de realização de cinema.”

 

Erika Cândido, diretora de produção do Kbela , um curta-metragem feito por mulheres negras, conta que a ausência de negros no cinema é visível.

 

Sonora: "Já teve equipes que eu trabalhei que eu era a única mulher negra. A gente tem tentado fazer com que isso seja diferente com iniciativas como o Kbela, enfim, a gente tem tentado fazer com que a mulher tenha uma representatividade maior e a mulher negra tenha um respeito e uma representatividade maior também.”

 

Segundo Fulana de Tal, o mundo virtual tem sido aliado para aumentar a presença das mulheres negras no cinema.

 

Sonora: "A geração que eu participo são muitas mulheres, a gente tem construído uma rede,  através do Facebook, das midias alternativas, muito fantástica, no sentido de "olha, te conheço, estou vendo você, eu também estou aqui".

 

O trailler de Kbela já foi apresentado no Festival Latinidades e Cinzas vai ser exibido nesta sexta-feira. O evento termina domingo.

 

O Estatuto da Igualdade Racial prevê que a produção de filmes e programas das emissoras de televisão deve conferir oportunidades de emprego para atores, figurantes e técnicos negros.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Festival do Tambaqui, em Rondônia, terá esquema drive thru

Há quatro anos, o peixe mais consumido de Rondônia dá nome a um grande festival no estado: o Tambaqui. Tradicionalmente realizado no município de Ariquemes, o Festival do Tambaqui 2020 terá um formato diferente.

Baixar arquivo
Esportes

Pia Sundhage revela como paixão pela música ajudou na quarentena

Durante meses de paralisação do futebol, a técnica sueca enviava à CBF versões próprias de músicas de sua preferência, ao som do violão. Depois de reunião da comissão técnica, ela escolheu Anunciação, de Alceu Valença, como ritmo da seleção feminina

 

Baixar arquivo
Geral

INSS tem 150 agências atendendo com serviço de perícia

Quem não conseguiu fazer ainda deve remarcar no telefone 135, site Meu INSS ou aplicativo. Segundo o INSS, 149 médicos peritos fizeram atendimentos presenciais até agora

Baixar arquivo
Geral

Eventos corporativos estão liberados no Distrito Federal

Feiras, seminários, congressos e outros eventos corporativos estão liberados no Distrito Federal a partir desta terça-feira (22). Continuam proibidos o funcionamento de boates e casas noturnas, além de eventos que exijam licença do governo local.

Baixar arquivo
Esportes

Tiffani Marinho vence prova de 400m rasos na Holanda

A brasileira Tiffani Marinho, que é campeã sul-americana dos 400m rasos, venceu no Meeting de Leiden, na Holanda, obtendo o tempo de 52s.64 nos 400m.

A atleta vinha de um sexto lugar na Liga de Diamante de Roma.

Baixar arquivo
Esportes

Márcio Guedes comenta o momento nada favorável do Flamengo no Equador

O Flamengo está vivendo, de fato, um período complicado no país. Goleada, vexame, jogadores afastados por Covid, técnico sob pressão e até um vulcão em erupção. E a Conmebol nem aceitou conversar para possível adiamento do jogo de hoje contra o Barcelona de Guayaquil. Mas o time tem elenco para superar tudo isso, diz o comentarista

Baixar arquivo