HQ conta história de mulher jovem na luta contra o câncer de mama

Publicado em 25/10/2022 - 08:45 Por Eliane Gonçalves - Repórter da Rádio Nacional - São Paulo

O cotidiano de uma mulher que enfrenta um câncer de mama narrado em forma de história em quadrinhos. Com linguagem acessível, a HQ "180 graus" é fruto de um projeto de pesquisa da Fiocruz e foi lançada nessa segunda-feira em São Paulo, como parte da programação do Outubro Rosa, para tentar sensibilizar as mulheres sobre a importância do diagnóstico e tratamento do câncer de mama.

Carol é uma cientista que pesquisa saúde coletiva, tem duas filhas e um marido legal. Mas descobre um câncer de mama, apesar da alimentação saudável, de não fumar e ter apenas 36 anos. Bem longe da faixa etária mais afetada.

Carol, na verdade, é personagem da história em quadrinhos “180 graus. Minhas reviravoltas com o câncer de mama”. Mas a história não é uma ficção. Foi dando vida à personagem que a psicóloga e pesquisadora da Fiocruz, Dulce Ferraz, contou sua experiência no diagnóstico e tratamento de um câncer de mama.

A cientista Dulce juntou sua experiência nas discussões sobre saúde pública com a vivência de se tornar uma paciente para refletir não sobre a doença em si, mas sobre acesso a redes de atenção e cuidado que ajudam a garantir a saúde.

Por isso, além de uma história em quadrinhos, 180 graus é ao mesmo tempo um trabalho de divulgação científica que pode ser lido por qualquer pessoa, mas foi pensado principalmente para as mulheres com câncer de mama e para os profissionais de saúde. 

O livro também é uma pesquisa da base antropológica, em que as anotações de Dulce desde o diagnóstico do câncer, laudos e idas e vindas a hospitais foram usadas como base para a publicação. As ilustrações são de outra mulher,  Camilla Siren, artista urbana conhecida pelos grafittes de rua em Brasília.

O lançamento da publicação seguiu o calendário do Outubro Rosa, de combate ao câncer de mama e aconteceu nessa segunda-feira em São Paulo, na Faculdade de Medicina da USP. Nestas terça e quarta-feira, com dois lançamentos em Brasília. Primeiro no Jardim da Fiocruz e depois no departamento de antropologia, os dois ficam no campus da UNB. E no dia 27 de outubro, no Instituto Fernandes Figueira, no Rio de Janeiro. 

E para quem quiser conhecer a história de Carol, o livro está disponível para download no site da editora naueditora.com.br. Nau se escreve com U. Basta clicar no link dos e-books gratuitos.

 

Edição: Roberto Piza/Edgard Matsuki

Últimas notícias
Geral

Comissão de juristas entrega proposta de novo Código Civil a Pacheco

O projeto propõe a alteração de mais de mil artigos do atual código e contempla temas atuais, como o direito digital. Proposta passará por ampla discussão entre os senadores para, só então, ser colocada em votação.

Baixar arquivo
Internacional

Internacional: pelo menos 50 mil soldados russos morreram na Ucrânia

A contagem foi feita pela BBC, em parceria com um grupo de mídia independente e voluntários. Do lado ucraniano, estima-se que são 31 mil mortos.
E mais: a exatos 100 dias da Olimpíada de Paris, entidades denunciam a expulsão de imigrantes da capital francesa.

Baixar arquivo
Esportes

Futebol: CBF sorteia duelos da 3ª fase da Copa do Brasil

Confira também os jogos da 2ª rodada do Brasileirão. Rádio Nacional transmite Flamengo x São Paulo, às 21h30, nesta quarta-feira (17). 

Baixar arquivo
Geral

Polícia investiga o caso da mulher que levou cadáver do tio ao banco

Funcionários do banco desconfiaram que o homem estava morto na cadeira de rodas e chamaram o SAMU, que confirmou o óbito. O caso aconteceu em Bangu, no Rio de Janeiro.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Povo Guató cobra espaço nas discussões sobre o Estatuto do Pantanal

Em participação numa audiência do Senado, o cacique Carlos Henrique, da aldeia Aterradinho, pediu que o estatuto tenha “um olhar mais direito à população pantaneira, que sãos os indígenas e ribeirinhos”. Os Guatós pedem que o estatuto inclua estudos antropológicos para a regularização fundiária.

Baixar arquivo
Geral

Governo retoma Conselho Nacional de Política Indigenista

O colegiado foi fechado em 2019 no governo de Jair Bolsonaro. 

Baixar arquivo