BNDES vai criar fundo de R$ 20 mi para revitalizar Cais do Valongo

Publicado em 23/05/2023 - 21:07 Por Fabiana Sampaio - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

O BNDES, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, vai criar um fundo de R$ 20 milhões para o projeto de restauro e revitalização da região do Cais do Valongo, no Rio de Janeiro, considerado o principal porto de entrada de milhares de africanos escravizados no Brasil e nas Américas.

Do total do valor, R$ 10 milhões serão investidos pelo próprio Banco e os outros R$ 10 milhões captados por meio de parceiros.

O fundo terá um Comitê Gestor e o BNDES vai lançar um edital público para contratar uma empresa ou uma ONG que vai administrar os recursos.

Também serão investidos outros R$ 7 milhões na contratação de especialistas e consultores para organizar a leitura e narrativa da memória do museu sobre a diáspora africana, que será instalado no antigo prédio Galpão Docas Pedro II, construído em 1871 pelo engenheiro negro André Rebouças.

O presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, disse que o processo de construção do conceito do museu também vai contar com uma comissão de notáveis de negros e negras.

Para o restauro do prédio, será lançado um edital internacional para arquitetos também negros e negras. Brasileiros, latino-americanos e africanos saem na frente na pontuação.

O anúncio da iniciativa do projeto de revitalização do Cais do Valongo foi feito durante o Seminário Empoderamento Negro para Transformação da Economia, realizado nesta terça-feira (23).

A ministra da Igualdade, Anielle Franco, afirmou ter certeza de que os editais e a construção do museu serão um sucesso e que o Ministério vai estar junto na luta.

A ministra voltou a destacar os episódios racistas contra Vinícius Junior e o quão difícil foi lidar com a situação.

Margareth Menezes, ministra da Cultura, também reforçou que a cultura vai participar desse momento da criação do museu e revitalização da Pequena África, como é conhecida a região, que será um diferencial na história da sociedade brasileira.

O presidente da Fundação Palmares, João Jorge Rodrigues, e o secretário municipal de Cultura, Marcelo Calero, também participaram do evento.

A previsão do BNDES é que o prédio Docas Rebouças seja entregue restaurado em 2025 e a inauguração do novo museu aconteça em 2026.

Edição: Jacson Segundo / Alessandra Esteves

Últimas notícias
Saúde

OMS: Vacinas salvaram 154 milhões de vidas em 50 anos

Os esforços globais de imunização têm sido fundamentais, salvando aproximadamente 154 milhões de vidas nos últimos 50 anos, conforme indicado por um estudo conduzido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), revelado recentemente.

Baixar arquivo
Economia

Reforma tributária: Haddad leva texto da regulamentação ao Congresso

O documento tem mais de 300 páginas e 500 artigos com as regras do novo sistema de cobrança de impostos. Ele substitui cinco impostos por dois, um federal e um para estados e municípios.

Baixar arquivo
Política

Congresso Nacional adia análise de vetos presidenciais

A ideia é dar mais tempo para os líderes do governo e da oposição entrarem em acordo para a votação.

Baixar arquivo
Internacional

Presidente de Portugal reconhece culpa pela escravidão no Brasil

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que seu país tem responsabilidade pelos crimes da era colonial, como tráfico de pessoas na África, massacres de indígenas e saques de bens.

Baixar arquivo
Geral

Preso, Chiquinho Brazão fala no Conselho de Ética da Câmara por vídeo

Brazão, acusado de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco, está preso há um mês e é alvo de pedido de cassação apresentado pelo PSOL.

Baixar arquivo
Segurança

CCJ da Câmara aprova lei que permite aos estados decidirem sobre armas

Pelo projeto de lei, os estados poderiam decidir sobre a posse e o porte de armas. Parlamentares favoráveis à proposta acreditam que diferenças estaduais precisam ser respeitadas. Já os contrários, afirmam que regras sobre armas devem ser definidas por uma lei nacional. Base do governo aponta inconstitucionalidade da medida.

Baixar arquivo