“Gran Fury: a arte não é bastante” discute crise da Aids nos EUA

Programação anual do Masp se dedicará às histórias de diversidade

Publicado em 24/02/2024 - 08:30 Por Joana Côrtes - repórter da Rádio Nacional - São Paulo

O Masp – Museu de Arte de São Paulo – apresenta pela primeira vez na América Latina a exposição do coletivo norte-americano Gran Fury: arte não é o bastante.

Aberta nessa sexta-feira (23), a mostra reúne cartazes, jornais, adesivos, fotografias, comerciais de televisão e outdoors sobre o HIV/Aids. Foi com essas intervenções gráficas que o grupo de artistas de Nova York se tornou referência do ativismo artístico nas décadas de 1980 e 1990.

O curador da exposição, André Mesquita, explica que com campanhas visuais ousadas e irreverentes, o Gran Fury – que significa grande fúria, em tradução literal – fazia críticas públicas contra o silêncio e a negligência do governo americano à crise do HIV/Aids.

“Primeiro porque o Gran Fury tem uma importância fundamental pra gente pensar a questão da arte e do ativismo, principalmente nos anos 80 e 90. Uma contribuição visual, uma prática artística muito importante, que influenciou muitos coletivos e movimentos que vieram posteriormente. Segundo que ele está tratando de um tema, de uma memória de uma epidemia que aconteceu há 30 anos, mas que deve ser lembrada. E lembrada como um lugar dessa comunidade, da comunidade LGBTQIA+”, explica o curador.

Entre os anos 1988 e 1995, o coletivo de artistas questionou com suas obras espalhadas pelo transporte público, pelos muros e pelas ruas, dados subnotificados do governo americano, a moralidade de instituições religiosas e a cobertura de uma mídia preconceituosa.

Quem visitar a exposição, que ficará em cartaz até junho, terá a chance de conhecer um pouco mais dessa história da produção artística desse grupo que ousou, com arte e criatividade, defender os direitos da população LGBTQIA+.

A estudante de moda Henri Barbosa foi uma das que aproveitaram o primeiro dia de exposição para saber mais um pouco dessa trajetória. Mineira de Uberlândia, Henri faz parte de uma geração que estava nascendo, quando o Gran Fury já encerrava a sua atuação.

“É uma realidade longe da gente, pela época que isso ocorreu, mas é tão contemporâneo a questão de olhar pra aids com outro olhar, olhar os grupos que hoje em dia fazem parte das estatísticas que têm mudado, das pessoas LGBTQIAPN+, que antes eram grupo foco da questão, do preconceito, com relação à aids e hoje em dia isso tem migrado pra população heterossexual, principalmente branca, que às vezes não teve educação sobre esse assunto. Então, é muito contemporâneo, é um novo alerta, do passado, sobre essas questões de saúde pública”, aponta.  

A exposição Gran Fury: arte não é o bastante integra a programação anual do Masp que este ano se dedicará às histórias da diversidade LGBTQIA+. A programação de 2024 também inclui mostras sobre Mário de Andrade, Leonilson, serigrafistas queer e uma grande coletiva sobre histórias da diversidade LGBTQIA+.

Edição: Jacson Segundo / Fran de Paula

Últimas notícias
Geral

Preso, Chiquinho Brazão fala no Conselho de Ética da Câmara por vídeo

Brazão, acusado de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco, está preso há um mês e é alvo de pedido de cassação apresentado pelo PSOL.

Baixar arquivo
Segurança

CCJ da Câmara aprova lei que permite aos estados decidirem sobre armas

Pelo projeto de lei, os estados poderiam decidir sobre a posse e o porte de armas. Parlamentares favoráveis à proposta acreditam que diferenças estaduais precisam ser respeitadas. Já os contrários, afirmam que regras sobre armas devem ser definidas por uma lei nacional. Base do governo aponta inconstitucionalidade da medida.

Baixar arquivo
Esportes

Libertadores: Flamengo e Palmeiras terão duelo contra altitude

Nesta quarta-feira (24), Flamengo vai a La Paz, na Bolívia, para enfrentar o Bolívar. E Palmeiras vai a Quito, no Equador, para encarar Independiente del Valle. 

Baixar arquivo
Cultura

Carnaval: maior festa popular agora é manifestação cultural nacional

“É colocar o carnaval do lugar de direito dele”, afirma Rita Fernandes, presidente da Sebastiana, associação de blocos de rua do Rio de Janeiro. Para ela, a lei significa mais incentivos e mais investimentos em torno da folia que leva milhões às ruas brasileiras.   

Baixar arquivo
Saúde

Brasil registra mais de 3 mil mortes por covid-19 em 2024

Infectologista fala da necessidade de se manter o reforço da vacinação em dia para evitar que as pessoas se tornem agentes de contaminação para pessoas do grupo de risco. 

Baixar arquivo
Geral

Portos e Aeroportos e Anac irão investigar morte de cão Joca em avião

O cão Joca morreu aos cuidados da Gol. Ele foi embarcado para o destino errado e ficou oito horas dentro do canil, a uma temperatura de 36°. Presidente Lula prestou homenagem ao golden retriever, usando uma gravata com cachorros.

Baixar arquivo