Quase mil pessoas são resgatadas de trabalho escravo no Brasil em 2020

Publicado em 11/05/2021 - 19:25 Por Gésio Passos - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

942 pessoas foram resgatadas de condição semelhante à de escravidão no Brasil no ano passado. Os dados, atualizados nessa terça-feira (11), são do Observatório da Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas, desenvolvido pelo Ministério Público do Trabalho e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Minas Gerais foi o estado com maior número de resgates em 2020, com 351 casos, seguido do Distrito Federal, Pará, Goiás e a Bahia.

O diretor do Escritório da OIT no Brasil, Martin Hahn, alerta que a pandemia da covid-19 tende a agravar esse cenário para imigrantes, negros e excluídos, com aumento do risco de formas inaceitáveis de trabalho.

Das vítimas resgatadas de trabalho escravo em 2020, 17% estavam em atividades de produção florestal; 15% no cultivo do café e 10% na criação de bovinos. Entre as atividades urbanas, destaque para o comércio varejista, com 10% dos casos, seguido da montagem industrial e estruturas metálicas e do setor de construção e imobiliário.

O trabalho em condições semelhantes à de escravidão é crime e uma grave violação dos direitos humanos. Segundo o Ministério Público do Trabalho, milhares de pessoas ainda são exploradas no Brasil por meio do trabalho forçado, da servidão por dívida, de condições degradantes de trabalho e de jornadas exaustivas.

Para alertar a sociedade e o poder público contra essa forma ilegal de trabalho, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) vem desenvolvendo a campanha “Olho Aberto para não Virar Escravo” desde 1997. Frei Xavier Plassat, coordenador da campanha, considera que essa situação revela uma estrutura social de exclusão no país. 

O Observatório da Erradicação do Trabalho Escravo e do Tráfico de Pessoas reúne dados de ações de órgãos públicos entre 1995 e 2020. Nesse período, 55.712 pessoas foram encontradas em condição semelhantes à de escravidão, sendo 80% das vítimas trabalhadores no setor agropecuário.

A Organização Internacional do Trabalho estima que, em todo mundo, essa situação alcance mais de 25 milhões de pessoas, incluindo mulheres e crianças. A prática gera cerca de US$ 150 bilhões anuais em lucros ilegais.

No Brasil, casos de trabalho semelhante à de escravidão podem ser denunciados pelo disque 100, pelo site do Ministério Público do Trabalho ou pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia.

Edição: Sheily Noleto/ Sumaia Villela

Últimas notícias
Pesquisa e Inovação

UFMT cria curativo para queimaduras com babosa, própolis e borracha

A combinação de borracha natural com própolis e babosa deve propiciar uma cicatrização mais rápida das queimaduras e evitar trocas frequentes de curativos. Projeto está em fase de testes.

Baixar arquivo
Geral

Rio de Paz reinstala placas em homenagem a policiais e crianças

O painel com os nomes de vítimas da violência começou a ser montado em 2015, e já tem quase 70 placas.

Baixar arquivo
Esportes

Confira os resultados dos jogos de quarta-feira (19)

Na Copa das Nações Africanas, Egito derrotou Sudão por 1 a 0; Nigéria bateu Guiné Bissau por 2 a 0.

Baixar arquivo
Saúde

Covid: ANS inclui teste rápido nas coberturas obrigatórias dos planos

A resolução normativa foi publicada no Diário Oficial da União nesta quinta-feira (20).

Baixar arquivo
Geral

Rio registra temperatura de 35ºC nessa quarta

Nessa quarta-feira (19), a cidade do Rio de Janeiro registrou 44,8 graus de sensação térmica, de acordo com o Sistema Alerta Rio, serviço meteorológico da prefeitura.

Baixar arquivo
Saúde

Covid: STF pede explicações sobre vacinação irregular em menores

Até dezembro do ano passado, cerca de 2.400 crianças de zero a quatro anos, além de mais de 18 mil crianças de cinco a 11 anos teriam sido vacinadas contra a covid-19 com o imunizante da Pfizer.

Baixar arquivo