Cartilha orienta transexuais a como mudarem nome e gênero em cartórios

Publicado em 26/07/2021 - 21:01 Por Victor Ribeiro - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Já faz 3 anos que o Supremo Tribunal Federal declarou que pessoas transexuais maiores de idade podem mudar o nome e o gênero no registro civil, mesmo sem terem feito cirurgia de redesignação sexual. Por unanimidade, os ministros entenderam que deve prevalecer o princípio da veracidade nos registros públicos. Ou seja, o Poder Público deve respeitar a identidade de gênero de cada pessoa.

Mas ainda existem dificuldades no acesso a esse direito. A presidenta da Antra, Associação Nacional de Travestis e Transexuais, Keila Simpson, avalia que os principais obstáculos são a burocracia e o alto custo para alterar o registro civil.

De acordo com a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais, desde a decisão do Supremo, em 2018, mais de 5 mil pessoas mudaram o nome e o gênero no documento de identidade. E 44 pessoas alteraram somente o gênero. Um levantamento feito por defensores públicos estaduais aponta que a gratuidade do serviço é fundamental para permitir que mais pessoas trans exerçam esse direito.

A defensora Pública Federal, Ana Lúcia Oliveira, diz que essa pesquisa mostrou em que estados a situação é mais difícil: São Paulo, Minas Gerais e Pará.

A Antra e o Instituto Prios de Políticas Públicas e Direitos Humanos são parceiros no projeto “Eu Existo”, que monitora o acesso de transexuais à mudança no registro civil. As entidades lançaram uma cartilha com um resumo de como fazer isso. Uma das dicas para quando encontrar dificuldades é exigir do cartório um documento relatando o motivo da negativa na alteração. Isso pode ser usado como prova a favor da vítima.

A diretora do Instituto Prios, Luciana Garcia, destaca que é necessário interromper essa exigência dos cartórios de que a pessoa comprove que fez cirurgia, ou que esta em acompanhamento médico, para que eles garantam esse serviço que, na verdade, é um direito da população.

O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos reforça que a decisão do Supremo Tribunal Federal acabou com a necessidade de laudo médico para alterar o nome e o gênero. Em nota, o ministério também orienta que quem tiver o direito violado denuncie o cartório ao juiz corregedor responsável. E, se a Corregedoria Estadual for omissa, registre o caso na Corregedoria Nacional de Justiça e no Disque 100.

Com produção de Ariane Póvoa.

Edição: Raquel Mariano / Guilherme Strozi

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Correios fazem leilão de 701 mil itens a partir de segunda-feira (27)

São os chamados refugos, ou seja, produtos que continuam aos cuidados dos Correios, mesmo após várias tentativas de entrega aos destinatários.

Baixar arquivo
Geral

Novo aplicativo do Bolsa Família já tem 200 mil downloads

Quem ainda não tem o aplicativo, pode fazer o download nas lojas virtuais para os sistemas IOS e Android.

Baixar arquivo
Cultura

80% da população ainda ouve rádio, diz pesquisa

É o que aponta o estudo Inside Radio 2021, da Kantar IBOPE Media. E mesmo aumentando a audiência das rádios pelo celular, as pessoas preferem é escutar no aparelho de rádio tradicional.

Baixar arquivo
Cultura

Nova edição da ViradaSP começa neste sábado em Mogi das Cruzes (SP)

Na programação de hoje estão apresentações do rapper Rael, da cantora Adriana Moreira e do cantor e contador de causos Rolando Boldrin, no quadro Rolando Prosa.

Baixar arquivo
Economia

Caixa inicia pagamento da sexta parcela do Auxílio Emergencial

Saques em dinheiro e transferências bancárias para quem nasceu em maio serão liberados no dia 8 de outubro. Valores podem ser movimentados pelo aplicativo Caixa Tem.

Baixar arquivo
Economia

Fim de ano pode gerar 94 mil vagas de empregos temporários, diz CNC

O cálculo é da CNC, a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Economista alerta que a previsão depende do controle da pandemia.

Baixar arquivo