Dia da Consciência Negra traz o racismo institucional para o debate

Base da violência contra a população negra está no cotidiano do país

Publicado em 19/11/2021 - 08:08 Por Daniel Ito - Repórter da Rádio Nacional - Brasília

Durante os quase 400 anos da história do Brasil em que a população negra estava sujeita à escravidão, os quilombos eram verdadeiros centros de resistência e dignidade para as pessoas que conseguiam escapar dos senhores de escravos. O mais conhecido de todos é o Quilombo dos Palmares, que ficava localizado entre os estados de Alagoas e Pernambuco e era liderado por um herói da resistência negra: Zumbi dos Palmares.

No dia 20 de novembro de 1695, Zumbi foi assassinado em uma emboscada. O líder quilombola teve a cabeça decepada e exposta em praça pública, em Recife, com o objetivo de amedrontar outras pessoas escravizadas que desejassem escapar.

Por isso, o dia 20 de novembro foi escolhido para celebrar o Dia Nacional de Zumbi e o Dia da Consciência Negra, no Brasil. Apesar de o regime escravagista ter acabado em 1888, a população negra, ainda hoje, vive sequelas daquele período: a maior parte da população pobre do país é negra ou descendente de negros. O racismo ainda impede que essas pessoas tenham pleno acesso a oportunidades de estudo, emprego e renda.

E para o professor Wallace Corbo, da FGV Direito Rio, essa realidade não é apenas uma consequência da escravidão, como também, reflexo da violência contra a população negra ainda hoje.

O preconceito contra as pessoas negras também se manifesta pela desvalorização estética das pessoas negras. Um exemplo recente foi o ocorrido com Carol Inácio, criadora de conteúdo digital de Colatina, no Espírito Santo. Em julho deste ano, a ativista negra e divulgadora de moda e estética afro recebeu uma série de ameaças e ofensas nas redes sociais.

Carol registrou ocorrência na polícia, que está tentando identificar os autores. Não são raros os casos semelhantes que acabam em violência física e até em morte.

Ameaças, ofensas e agressões contra pessoas negras estão ficando cada vez mais em evidência no debate público. Para o professor Wallace, da FGV, dar visibilidade a esses casos é importante para trazer o tema do racismo ao debate público.

No Brasil, a discriminação racial é crime imprescritível e inafiançável. A pena é de um a cinco anos de prisão, a depender das circunstâncias em que o crime foi cometido.

*Com produção de Michele Moreira e sonoplastia de Messias Melo.

Edição: Jacson Segundo / Guilherme Strozi

Últimas notícias
Economia

Custo médio da cesta básica aumentou em nove cidades, de acordo Dieese

As cestas básicas mais caras foram encontradas em Florianópolis, São Paulo e Porto Alegre, custando entre R$ 710,53 e R$ 685,32. Já as cestas mais baratas: Aracaju Salvador e João Pessoa, com preços entre R$ 473,26 e R$ 508,91.

Baixar arquivo
Política

PEC dos Precatórios é promulgada pelo Congresso Nacional

A proposta aprovada possibilita a mudança no cálculo do teto de gastos e abre um espaço de R$ 106 bilhões no Orçamento da União. Parte dos recursos deverá custear o Auxílio Brasil. 

Baixar arquivo
Saúde

Butantan vai doar 400 mil vacinas de gripe para o Rio de Janeiro

A cidade está com imunização parada há seis dias, por falta de vacinas, e teve 21 mil casos da doença diagnosticados nas últimas três semanas.

Baixar arquivo
Saúde

Pfizer diz que três doses de vacina podem neutralizar variante Ômicron

Estudo preliminar mostrou que duas doses podem não ser suficientes para proteger as pessoas contra a infecção pela nova variante. Ainda assim, as empresas afirmam que duas aplicação são capazes de proteger contra casos graves da doença.

Baixar arquivo
Economia

CNA projeta crescimento de 2,4% no PIB da agropecuária em 2022

A safra 2021/2022 deve chegar a 289 milhões de toneladas, volume 14% maior que a anterior; foram produzidas na safra 2020/2021 252 toneladas de grãos. 

Baixar arquivo
Saúde

Consórcio Nordeste pede cancelamento de festas de Ano Novo e carnaval

O Comitê Científico do Consórcio Nordeste emitiu uma recomendação para que os estados não realizem as festas de Réveillon e o carnaval, uma vez que colocar milhões de pessoas nas ruas, em aglomerações, é assumir um risco.

Baixar arquivo