Garimpo ilegal do Lourenço, no Amapá, cresce 304% entre 2022 e 2023

Área desmatada equivale a 170 campos de futebol

Publicado em 26/02/2024 - 08:10 Por Tatiana Alves - repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

A atividade garimpeira ilegal na região do Lourenço, dentro do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, no Amapá, cresceu 304% em um ano, no período de 2022 a 2023. A área desmatada equivale a mais de 170 campos de futebol.

Outra região ameaçada fica na zona rural de Calçoene, a 374 km da capital Macapá – onde foi observado, por imagens de satélite, um aumento de 174% da área afetada pela atividade garimpeira ilegal, entre os anos de 2020 e 2023.

A exploração tem devastado tanto novas áreas como o entorno de áreas antigas de garimpos. A região vem sendo explorada há mais de 130 anos, constituindo uma das mais antigas em atividade do Brasil.

Os impactos relacionados ao aumento do garimpo ilegal na região do Lourenço são severos. Um deles, é sobre a saúde da população ribeirinha. A exposição à mercúrio pode causar tremores, insônia, perda de memória, convulsões, surtos psicóticos e morte. Para obter 1 quilo de ouro, são utilizados 2,6 quilos de mercúrio.

O coordenador do Programa de Gestão da Informação do Iepé, Instituto de Pesquisa e Formação Indígena, Décio Yocota, explica que o uso do mercúrio na atividade garimpeira interfere diretamente na segurança alimentar na Amazônia, pois o peixe é uma das principais fontes de proteínas da região

“Infelizmente, através do consumo desse pescado, não só pelas comunidades do entorno, mas também das cidades onde esse peixe vai parar, acaba contaminando a população em geral. Além disso, no entorno do parque existem as terras indígenas do Oiapoque, onde habitam mais de seis mil indígenas, que também têm sofrido os impactos diretos dessa exploração”, afirma.

Yocota destaca que o risco é ainda maior para as gestantes, por causa dos danos neurológicos que pode causas aos bebês.

“OS grupos de risco são as crianças e as mulheres grávidas. Nos dois casos onde o feto, ou as crianças estão desenvolvendo o seu sistema nervoso e, infelizmente, o mercúrio tem esse efeito sobre o sistema nervoso central que pode levar, em casos mais graves, até a morte. Em casos mais leves, você pode começar a ter sintomas relacionados ao sistema nervoso, como sistemas motores, de equilíbrio, de raciocínio, e que também afetam a população em geral”, enumera.

Segundo informações da Polícia Federal e do IBAMA, o Amapá é uma das regiões alvo dos garimpeiros que foram expulsos de áreas como a Terra Indígena Yanomami. Estima-se que cerca de 20 mil garimpeiros tenham sido retirados desde o início das operações em janeiro de 2023.

 

Edição: Tâmara Freire / Fran de Paula

Últimas notícias
Saúde

OMS: Vacinas salvaram 154 milhões de vidas em 50 anos

Os esforços globais de imunização têm sido fundamentais, salvando aproximadamente 154 milhões de vidas nos últimos 50 anos, conforme indicado por um estudo conduzido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), revelado recentemente.

Baixar arquivo
Economia

Reforma tributária: Haddad leva texto da regulamentação ao Congresso

O documento tem mais de 300 páginas e 500 artigos com as regras do novo sistema de cobrança de impostos. Ele substitui cinco impostos por dois, um federal e um para estados e municípios.

Baixar arquivo
Política

Congresso Nacional adia análise de vetos presidenciais

A ideia é dar mais tempo para os líderes do governo e da oposição entrarem em acordo para a votação.

Baixar arquivo
Internacional

Presidente de Portugal reconhece culpa pela escravidão no Brasil

O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu que seu país tem responsabilidade pelos crimes da era colonial, como tráfico de pessoas na África, massacres de indígenas e saques de bens.

Baixar arquivo
Geral

Preso, Chiquinho Brazão fala no Conselho de Ética da Câmara por vídeo

Brazão, acusado de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco, está preso há um mês e é alvo de pedido de cassação apresentado pelo PSOL.

Baixar arquivo
Segurança

CCJ da Câmara aprova lei que permite aos estados decidirem sobre armas

Pelo projeto de lei, os estados poderiam decidir sobre a posse e o porte de armas. Parlamentares favoráveis à proposta acreditam que diferenças estaduais precisam ser respeitadas. Já os contrários, afirmam que regras sobre armas devem ser definidas por uma lei nacional. Base do governo aponta inconstitucionalidade da medida.

Baixar arquivo