60% das mulheres vivem em países onde o aborto é amplamente legal

Junto com Irã, Brasil fica na lista de países com grandes restrições

Publicado em 17/06/2024 - 07:30 Por Gabriel Correa - São Luís

O Projeto de Lei 1904/2024, que equipara o aborto acima de 22 semanas ao crime de homicídio, levanta o debate sobre um tema que é abordado de diferentes formas em cada país. Ilmar Muniz, professor de Direito Constitucional e Penal, considera que o Projeto de Lei em questão vai na contramão de uma tendência global de tornar o aborto uma questão de saúde pública e não, meramente penal.

"O PL prevê a punição da mulher, mesmo em casos do aborto legal após o crime do estupro, equiparando a mulher que cometer o aborto após ser abusada ao homicídio, com pena de 6 a 20 anos, ou seja, superior ao próprio abusador.  Então o PL demonstra uma contramão do que o Brasil já vinha seguindo e debatendo."

A ONG Internacional Centro para Direitos Reprodutivos mostra que há uma tendência predominante, no mundo, de liberalização das leis sobre o aborto. Seis em cada 10 mulheres do planeta vivem em países onde o aborto é considerado amplamente legal. Essa proporção é consequência da flexibilização, nas últimas três décadas, quando mais de 60 países liberalizaram as leis sobre o aborto, como explica a antropóloga Débora Diniz.

"Países que criminalizavam integralmente o aborto há pouco mais de uma década, como a Colômbia, revisaram suas legislações. A Argentina descriminalizou o aborto. O Uruguai descriminalizou o aborto. Então o Brasil está numa tendência -  global e regional - na  contramão do que a Organização Mundial de Saúde compreende como uma necessidade de revisar as leis criminais para proteção à saude".

Apenas quatro países reverteram recentemente a legalidade do aborto: Estados Unidos, El Salvador, Nicarágua e Polônia. 77 países permitem o aborto, com diferentes limites gestacionais, mediante a simples vontade da mulher. Um deles é a França, que incluiu esse direito na constituição em março deste ano. Por lá, o presidente francês, Emanuel Macron disse apoiar a ampliação para toda a União Europeia.

Nessa escala, 12 países permitem o aborto por razões sociais ou econômicas, ou motivos específicos, como a gravidez como resultado de um estupro ou determinados diagnósticos fetais. Nesse segundo grupo de países estão Inglaterra, Índia e Japão.

Em terceiro lugar, em 47 países, o aborto é permitido quando a gravidez representa risco à saúde. Alguns deles, incluem ameaças à saúde mental, como Arábia Saudita e Paquistão.

Atualmente, o Brasil está na quarta categoria, ao lado do Irã, Afeganistão, Sudão e Somália. Esses, e outros 40 países, têm em comum o aborto permitido, de forma geral, em casos de risco à vida da gestante. Atualmente, só há mais duas situações em que as mulheres que passam pelo aborto no Brasil não são ameaçadas de prisão: estupro ou anencefalia do feto.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Aborto mais recente, uma em cada sete brasileiras com até 40 anos já abortou pelo menos uma vez. Mais da metade tinha 19 anos ou menos, quando fizeram o primeiro procedimento. Além disso, 43% das mulheres que tentaram abortar, foram hospitalizadas para finalizar a ação.

Já na quinta categoria, Nicarágua, Congo e Iraque são alguns dos 21 países onde o aborto é proibido em qualquer hipótese.

De acordo com a antropóloga Débora Diniz, a experiência internacional mostra que, nos locais em que o aborto foi descriminalizado, a quantidade de abortos realizados diminuiu.

"Quando o aborto é descriminalizado, essa mulher fala a verdade do que está acontecendo na vida dela. Ela conta que está sofrendo violência e ela pode receber ajuda. Ela não está com medo de ser punida. Ela fala a verdade de que ela está usando de maneira equivocada os métodos. Nas escolas pode-se ter educação sexual para ajudar uma menina a identificar que o que ela vive é uma situação de violência. Há um conjunto de coisas que se alteram para que o aborto termine por ser um evento mais raro do que ele é quando é feito como crime. Porque junto com o crime vem o estigma, vem o segredo, vem a clandestinade e nós temos dificuldades de prevenir o aborto".  

De acordo com o Centro para Direitos Reprodutivos, quase 40 mil mulheres morrem em todo mundo, a cada ano, por causa de abortos realizados em condições de insegurança.

Edição: Paula de Castro / Eliane Gonçalves

Últimas notícias
Justiça

STF mantém prisão de cinco suspeitos de envolvimento na Abin Paralela

Segundo investigações da Polícia Federal, uma estrutura ilegal foi criada no governo Bolsonaro dentro da Agência Brasileira de Inteligência para espionagem de autoridades.

Baixar arquivo
Economia

Dívida dos estados: Pacheco diz que mercado está contra renegociação

Para o presidente do Senado, setores do mercado estariam interessados nas privatizações de estatais estaduais à “preço de banana”. Na proposta do senador, os estados podem usar ativos, como as estatais, para abater as dívidas com a União.

Baixar arquivo
Saúde

Planos de saúde terão que explicar cancelamentos unilaterais

Secretaria Nacional do Consumidor começou a investigar as rescisões por causa do aumento de reclamações nos portais do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Baixar arquivo
Esportes

Esporte: finais da Copa América e da Eurocopa agitam fim de semana

No domingo, às 16h, Espanha joga contra a Inglaterra na final da Eurocopa. E às 21h, Argentina enfrenta a Colômbia na final da Copa América. 

Baixar arquivo
Internacional

Internacional: China responde a duras críticas feitas pela Otan

Defesa Civil de Gaza já retirou 60 corpos dos escombros do bairro de Shujaya. Parlamento da Finlândia aprova lei para dificultar entrada de imigrantes. Equipes de resgate buscam sobreviventes de deslizamento de terra no Nepal. 

Baixar arquivo
Saúde

MP se posiciona contra a extinção das bulas impressas de remédios

A medida, aprovada pela Anvisa, valeria somente para os remédios utilizados em hospitais, os vendidos sem prescrição médica e os de amostra grátis. Ainda assim, medida é criticada pelo impacto que pode ter junto a públicos específicos, como os idosos, e pela possível captura de dados dos pacientes pelas farmacêuticas.

Baixar arquivo