Taxa de desocupação cresce em 14 unidades da Federação no 1º trimestre

Pnad Contínua

Publicado em 16/05/2019 - 13:37 Por Raquel Júnia - Rio de Janeiro

Amapá, Bahia e Acre lideram a lista dos Estados com maior taxa de desocupação do país no primeiro trimestre de 2019.

 

A taxa cresceu em 14 das 27 unidades da Federação, inclusive em estados como São Paulo e Minas Gerais, que têm um peso expressivo na economia do país.

 

Nas outras unidades da Federação, a desocupação ficou estável em relação ao quarto trimestre do ano passado. Os dados da Pnad Contínua Trimestral foram divulgados nesta quinta-feira (16) pelo IBGE.

 

Quatro unidades da Federação - Acre, Roraima, Maranhão e Distrito Federal - bateram recorde na taxa de desocupação.

 

O coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, detalha que os dados da desocupação, agregados à subutilização da força de trabalho, mostram que as fragilidades na geração de emprego estão espalhadas por todo o país.

 

A subutilização leva em conta os trabalhadores que estão ocupados menos horas do que poderiam trabalhar, estão desocupados ou desistiram de procurar trabalho, os chamados desalentados, que também atingiram o maior número da série histórica em todas as regiões.

 

A precariedade da ocupação que vem sendo gerada também aparece nos dados da Pnad, com ausência de empregos com carteira de trabalho assinada como explica Cimar.

 

O estado do Maranhão tem o menor percentual de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado, com mais da metade dos empregados trabalhando sem carteira 50,3%.

 

Onze estados apresentaram aumento de pessoas trabalhando por conta própria em comparação com o mesmo trimestre do ano passado. A região metropolitana de Macapá registrou a maior taxa de desocupação e a de Goiânia, a menor. Três milhões e 319 mil pessoas procuravam trabalho no Brasil há dois anos ou mais. O número é também o maior desde 2012.

 

A Pnad Contínua Trimestral também permite analisar a ocupação em relação a cor e raça. Os dados mostram que aumentou o número de pardos e pretos desocupados e caiu o número de brancos.

 

A taxa de desocupação dos que se declaram brancos ficou abaixo da média Nacional de 12,7%, registrando 10,2%.

 

Já a dos negros ficou bem acima da média nacional, com os pretos, atingindo 16% de taxa de desocupação e os pardos, 14,5%.

 

As mulheres também são mais atingidas pelo desemprego, no entanto, de acordo com o IBGE é possível verificar que a diferença entre os gêneros diminuiu nos últimos anos já que a população masculina perdeu massivamente postos de trabalho em ocupações historicamente lideradas pelos homens, como a construção civil.

Últimas notícias
Saúde

RJ: Casos de dengue aumentam 177% nos cinco primeiros meses deste ano

A capital fluminense concentra a maioria dos registros da doença, mas as regiões Noroeste e Norte apresentam alta transmissão, de acordo a Secretaria de Estado de Saúde.

Baixar arquivo
Economia

Ministério de Minas e Energia diz que estoque de diesel dura 38 dias

Se a importação desse combustível fosse suspensa, seria possível atender à demanda durante 38 dias, com esses estoques e a produção nacional.

Baixar arquivo
Economia

Eletrobras lança oferta de ações em mais um passo para privatização

A Eletrobras apresentou os documentos necessários para realizar a operação, com a qual a estatal espera movimentar mais de R$ 30 bilhões.

Baixar arquivo
Cultura

Começa o São João no Maranhão, a previsão é de 60 dias de festa

Os últimos meses foram de ensaios, muito trabalho nos ateliês dos grupos de Bumba Meu Boi e outras manifestações culturais do Maranhão.

Baixar arquivo
Economia

Pesquisa: mais de 20 milhões de pessoas poderiam trabalhar remotamente

Pesquisa do Ipea, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, divulgada nesta sexta-feira, estima que mais de 20 milhões de trabalhadores no Brasil estão em ocupações que poderiam ser realizadas remotamente.

Baixar arquivo
Geral

Brasil já registra 17 mil divórcios em cartórios neste ano

No ano passado, foram concluídas mais de 80 mil separações consensuais. Este é o maior número desde 2007, quando uma lei federal permitiu a formalização do divórcio diretamente em cartórios.

Baixar arquivo