Mercadante quer BNDES "verde, inclusivo, digital e industrializante"

Publicado em 06/02/2023 - 16:00 Por Tâmara Freire - Repórter da Rádio Nacional - Rio de Janeiro

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou nesta segunda-feira (6), que o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) precisa voltar a ser o indutor do desenvolvimento brasileiro, e contribuir para que o Brasil consiga diminuir a sua dívida social.

Lula participou da posse do novo presidente do banco, Aloizio Mercadante, realizada no Rio de Janeiro. De acordo com o presidente da República, o financiamento do BNDES às empresas brasileiras chegou a R$ 198 bilhões em 2013, mas caiu para R$ 64 bilhões em 2021 e precisa ser recuperado.

Lula afirmou que o banco tem sido alvo de uma grande campanha de difamação quando, na verdade, é a mais importante agência de desenvolvimento e investimento do país. 

"O BNDES nunca foi caixa-preta. De tanto martelarem isso na cabeça das pessoas, o banco teve que gastar R$ 48 milhões em uma auditoria internacional em 2020. E o resultado, para a decepção dos caluniadores, foi que nada foi encontrado de irregular nas operações, porque todas foram contratadas com critérios técnicos, e garantias firmes, sob o controle de dirigentes sérios e de um corpo técnico altamente qualificado (...) outra grande mentira é que o BNDES dava dinheiro para outros países. O BNDES nunca deu dinheiro para país amigo. O banco financiou serviços de engenharia de empresas brasileiras em nada menos que 15 países da América Latina e do Caribe entre 1998 e 2017. De um total de R$ 10,5 bilhões financiados, o BNDES já recebeu R$ 12,8 bilhões. O BNDES não privilegiou meia dúzia de empresas em seus financiamentos. Ao final do meu governo, 480 das 500 maiores empresas atuando no Brasil tinham relações bancárias com o BNDES".

Lula também indicou que o BNDES deve ter papel central no financiamento de obras públicas, inclusive para a conclusão dos mais de 14 mil projetos que estão parados no país. Em seu discurso de posse, Aloízio Mercadante reafirmou também outras prioridades da sua gestão, como o foco no apoio às micro, pequenas e médias empresas, na economia verde, na inovação tecnológica e em políticas de redução das desigualdades de gênero e raça. O novo presidente do BNDES ressaltou ainda que o banco vai participar da elaboração de políticas estratégias para alavancar o desenvolvimento do país.

"O BNDES do futuro, que será verde, inclusivo, tecnológico, digital e industrializante. Vamos apoiar, com mais determinação, o crescimento e modernização das micro, pequenas e médias empresas, que são grandes geradoras de emprego e renda (...) das cooperativas de economia solidária, com R$ 65 bilhões por meio de crédito indireto do banco e alavancagem via garantias por crédito privado. Debateremos para ajustar a taxa de longo prazo (TLP) que o BNDES utiliza hoje (...) não queremos e não estamos reivindicando o retorno a um padrão de subsídios do orçamento, como ocorreu no passado. Mas uma taxa de juros mais competitiva, sobretudo para micro, pequenas e médias empresas".

O vice-presidente Geraldo Alckmin, que também é ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, pasta a qual o BNDES é ligado, ressaltou ainda que o banco deve contribuir para impulsionar as exportações brasileiras:

"Por que perdemos exportação industrial? Exportávamos para a Argentina quase US$ 30 bilhões, e despencou nos últimos anos. Custo de capital: simplesmente porque o nosso concorrente tem 'Eximbank' e financia o importador estrangeiro. Portanto, financiar as exportações brasileiras é emprego no Brasil. É fortalecer as empresas brasileiras para que elas possam exportar, melhorar a competitividade".

Aloizio Mercadante é economista e professor aposentado da Universidade Estadual de Campinas e licenciado da PUC de São Paulo. Na política, foi deputado federal e senador pelo estado de São Paulo, além de ministro de três pastas do governo Dilma Rousseff: Ciência e Tecnologia, Educação e Casa Civil. 

Edição: Sheily Noleto / Nathália Mendes

Últimas notícias
Política

Fux autoriza quebra de sigilo fiscal do deputado André Janones

O deputado é alvo de inquérito por suspeita de desvios de salários de assessores de seu gabinete. A investigação apura os crimes de peculato, concussão e associação criminosa.

Baixar arquivo
Geral

Concurso da Caixa terá quatro mil vagas

A previsão é de duas mil vagas para técnicos bancários e as outras duas mil para técnicos da área de tecnologia.

Baixar arquivo
Política

STF retoma julgamento de ações que questionam “sobras eleitorais”

Decisão do Supremo pode fazer sete deputados federais perderem o mandato, além de interferir nas eleições para vereador, ainda neste ano

Baixar arquivo
Política

Pacheco fala em acordo pela desoneração da folha de 17 setores

Presidente do Senado se reuniu com Haddad e Padilha e declarou que o acordo com o governo foi pela retirada da reoneração dos setores da Medida Provisória 1202

Baixar arquivo
Segurança

Apreensão de menores sem ordem judicial volta a ser proibida no Rio 

Em acordo mediado pelo STF, governo do Rio de Janeiro e prefeitura da capital se comprometeram a apresentar em até 60 dias um plano de repressão e abordagem social que não viole os direitos das crianças e dos adolescentes. 

Baixar arquivo
Economia

Setores da economia divulgam manifesto a favor da desoneração da folha

Governo quer aumentar a arrecadação com a reoneração da folha de pagamento. Segundo o ministério da Fazenda, desonerar, como querem os empresários, é deixar de arrecadar R$ 20 bilhões por ano. Para Fernando Haddad, uma saída é reonerar os setores de forma gradativa

Baixar arquivo