Economia mais aquecida interrompe ciclo de queda de juros, explica BC

Publicado em 25/06/2024 - 17:01 Por Gabriel Brum - repórter da Rádio Nacional - Brasília

As incertezas sobre a inflação no exterior e a economia brasileira mais aquecida que o esperado foram alguns dos fatores que levaram o Copom a interromper o ciclo de queda dos juros. A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária foi divulgada nesta terça-feira (25).

O documento ainda mencionou a possibilidade de eventuais ajustes na política monetária.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, destacou que a ata fala apenas em pausa no ciclo de cortes.

“Transmite a ideia de que está havendo uma interrupção para avaliar cenário interno e externo, para que o Copom fique à vontade para tomar decisões, a partir de novos dados.

Para o economista e professor da UnB, Cesar Bergo, esse ajuste da política monetária já está sendo feito.

“Estava previsto, inclusive, um novo corte, de meio por cento há duas reuniões passadas, isso não aconteceu. E agora não cortou nada. E existe uma perspectiva que continue dessa forma até o final do ano. Portanto, já houve essa mudança de rota do Banco Central , com relação a tornar a politica monetária mais restritiva”.

O aquecimento da economia é uma das razões apontadas pelo Banco Central para a pressão inflacionária no Brasil. O economista e professor universitário, William Baghdassarian, explica que crescer é bom, mas se essa expansão é mais rápida do que o país dá conta vem a inflação.

“É que você começa a não ter os insumos necessários para crescer naquela velocidade. Então, por exemplo, pra você crescer 5%, 10% ou 3% ao ano, você precisa ter mão de obra disponível para que haja esse crescimento. Porque senão, o que acontece é que aquela mesma mão de obra se torna mais cara e você tem pressões para que venha mão de obra de fora, por exemplo”.

A ata do Copom voltou a dizer que a política fiscal comprometida com a sustentabilidade da dívida é importante para reduzir os riscos. E, entre os fatores externos, o comitê cita o esforço para baixar a inflação nos países com as maiores economias.

Edição: Roberta Lopes / Fran de Paula

Últimas notícias
Geral

Oito mil pessoas ainda vivem em abrigos no Rio Grande do Sul

Atualmente, existem 178 abrigos ativos em 52 cidades gaúchas. Segundo o secretário de Desenvolvimento Social do Rio Grande do Sul, Beto Fantinel, quem está nos abrigos são as pessoas que não têm para onde ir.

Baixar arquivo
Geral

Massa polar deve levar temperaturas negativas para o Sul do país

Chuvas vão dar trégua, mas o frio será mais intenso, além da possibilidade de geadas no Rio Grande do Sul, de acordo com o Inmet.

Baixar arquivo
Internacional

Cannabis é a droga mais utilizada no mundo, aponta levantamento da ONU

Sessenta milhões de pessoas consomem remédios com potente ação analgésica e sedativa, como heroína, codeína e morfina;

Baixar arquivo
Justiça

Aborto legal: Moraes manda Cremesp suspender processos contra médicos

Profissionais processados realizaram assistolia fetal - procedimento usado em abortos após 22 semanas de gestação - para casos previstos em lei. O ministro do STF deu 48h para que conselho comprove a suspensão dos processos.

Baixar arquivo
Geral

Após críticas, governo do DF vai vetar pontos do plano urbanístico

As mudanças, que incluem a venda de lotes para moradia na orla do Lago Paranoá, podem, na avaliação de algumas organizações, “desfigurar” o projeto do urbanista Lúcio Costa e ameaçar o tombamento de Brasília. 

Baixar arquivo
Saúde

Cremesp pede que Anvisa libere produtos com fenol só para médicos

Ontem (25), a Agência proibiu o uso dos produtos por qualquer profissional. O Conselho, no entanto, entendeu que a proibição total impede a realização de procedimentos com fenol pelos próprios médicos, que são os profissionais capacitados e habilitados.

Baixar arquivo